Sudão: ONU saúda "virar da página" no recrutamento de crianças-soldado

28 março 2016

As duas partes adotaram um plano para prevenir a presença de menores nas forças de segurança sudanesas; país africano pode deixar de fazer parte da lista da ONU sobre uso de crianças nos conflitos se o projeto for cumprido.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

As Nações Unidas e o Governo do Sudão assinaram um plano de ação para prevenir o recrutamento e o uso de crianças pelas forças de segurança.

A organização frisa que a medida é um marco importante para proteger os menores, em nota emitida no domingo em Cartum. A ONU felicita as autoridades pelo compromisso de defesa das crianças das violações em conflitos armados.

Passo

O Grupo das Nações Unidas sobre a Monitorização e Comunicação declarou que as partes estão prontas para "apoiar a cada passo da implementação do plano de ação".

As ações envolvem a Missão Conjunta da ONU e da União Africana em Darfur, Unamid, o sistema da ONU no país e o Fundo da ONU para a Infância, Unicef.

O ministro de Estado da Previdência Social do Sudão prometeu trabalho "para promover e proteger os direitos infantis em áreas de conflito armado e de deslocamento". Ibrahim Adam Ibrahim disse que também serão reforçados os mecanismos da Lei da Criança de 2010 e da Lei das Forças Armadas do Sudão.

Determinação

A cerimónia que decorreu na capital sudanesa juntou vários ministros sudaneses como forma de "destacar a determinação do Governo de virar a página sobre o recrutamento e uso de crianças."

O Plano de Ação inclui medidas de reforço da proteção global dos menores afetados por conflitos como "o fim e a prevenção do recrutamento de crianças e a libertação das que integram as forças de segurança".

Impedir o Recrutamento

O Sudão passa a integrar os sete os países da lista do secretário-geral da campanha global "Crianças, não soldados". A iniciativa pretende acabar e impedir o recrutamento e o uso de menores pelas forças de segurança em conflitos.

A representante especial do secretário-geral para Crianças e Conflitos Armados disse que "20 anos após a criação do mandato, os governos de todo o mundo concordam que os menores não devem ser associados a forças de segurança".

Leila Zerrougui afirmou que a medida do Sudão promete dar um futuro com maior proteção infantil. Com o plano cumprido e verificado, o país pode ser retirado do quadro anual  do chefe da ONU sobre crianças e conflitos armados.

Leia Mais:

ONU cria posto de relator para acompanhar abusos no Sudão do Sul

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud