No Iraque, Ban apela à reconciliação para derrotar o Isil
BR

26 março 2016

Secretário-geral realiza oitava visita o país acompanhado pelos presidentes do Banco Mundial e do Banco Islâmico de Desenvolvimento; Mais de 7,5 mil pessoas morreram em atos de terrorismo, violência e conflito armado em 2015.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O secretário-geral das Nações Unidas disse este sábado que a reconciliação no Iraque é uma parte importante da estratégia para derrotar o autoproclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil, localmente conhecido por Daesh.

Ban Ki-moon disse que o grupo explorou as divisões no país de forma impiedosa e o seu grupo-alvo foram os marginalizados e desfavorecidos.

Identidade e Unidade

No seu discurso, em Bagdad, o chefe da ONU declarou que o Daesh tenta erradicar a identidade e a unidade do Iraque e do seu povo.

Ele lembrou que cerca de 3,5 mil mulheres, principalmente da etnia yazidi, continuam a ser escravizadas e submetidas a violações todos os dias.

O apelo aos políticos, à sociedade civil, aos líderes tribais e aos representantes comunitários é que trabalhem em conjunto para a paz e a prosperidade inclusiva.

Apoio Internacional

Na sua oitava visita ao Iraque, Ban é acompanhado pelo presidente do Banco Mundial, Jim Young Kim, e o presidente do Banco Islâmico de Desenvolvimento Ahmad Mohamed Ali.

O chefe da ONU prometeu mais apoio da comunidade internacional para o país, ao reconhecer que este enfrenta enormes desafios económicos que incluem a queda dos preços do petróleo, as ineficiências e a corrupção.

Ban falou no Parlamento, manteve conversações com membros do governo incluindo o primeiro-ministro Haider al-Abadi e visitou Erbil,  a capital da região curda do Iraque. 

Recuperação

image
Ban Ki-moon falou a jornalistas após conversações com o primeiro-ministro do Iraque Haider al-Abadi. Foto: ONU/Mark Garten

Para o secretário-geral, os próprios iraquianos é devem executar as reformas que colocarão o seu país no caminho para a recuperação.O Iraque tem 10 milhões de pessoas que precisam de alguma forma de assistência humanitária e 3,3 milhões de deslocados internos.

Terrorismo, Violência e Conflito

Ban observou que o Iraque é uma das nações que registam mais mortes de civis no mundo. No ano passado, mais de 7,5 mil pessoas perderam a vida em atos de terrorismo, violência e conflito armado.

Para lidar com os desafios, o chefe da ONU disse devem ser abordadas as causas profundas do conflito, garantir a justiça e a igualdade para todos num Estado inclusivo baseado na democracia, na supremacia da lei e nos direitos humanos.

Leia Mais:

Bombardeio do Isil em estádio de futebol mata dezenas no Iraque

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud