Radovan Karadzic condenado a 40 anos de prisão por crimes na ex-Jugoslávia

Foto: Unodc

Radovan Karadzic condenado a 40 anos de prisão por crimes na ex-Jugoslávia

Antigo líder servo-bósnio é a figura política de mais alto escalão condenada no caso de tribunal criado pela ONU; alto comissário para os Direitos Humanos considera veredito muito significativo.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia condenou esta quinta-feira o antigo líder servo-bósnio Radovan Karadzic a 40 anos de prisão por genocídio, crimes contra a humanidade e violações de leis e costumes de guerra.

No caso  relacionado ao conflito ocorrido na Bósnia entre 1992 e 1995, os juízes do órgão sustentam que o fundador da “Republika Srpska” esteve envolvido no massacre de Srebrenica e no cerco de Sarajevo. Mais de 100 pessoas morreram e 2 milhões foram deslocadas.

Prestação de Contas

Ao reagir ao veredicto, o alto comissário para os Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, classificou como "muito significativo".

Para Zeid, 21 anos depois de Karadzic ter sido indiciado a decisão é uma manifestação enérgica de compromisso implacável da comunidade internacional com vista à prestação de contas.

Destruição e Pilhagem

O alto comissário descreve Karadzic como "planeador do confinamento, estupro, tortura e assassinato de milhares de pessoas, do bombardeio de civis. do cerco de Sarajevo e da extensa destruição e pilhagem de propriedades, incluindo locais de culto católicos e muçulmanos".

Para Zeid, o julgamento é "simbolicamente poderoso, sobretudo para as vítimas dos crimes cometidos durante as guerras na Bósnia-Herzegovina e em toda a ex-Jugoslávia, mas também para de todo o mundo".

No julgamento, considerado um dos mais importantes desde a Segunda Guerra Mundial,  Karadzic é a figura política de mais alto escalão sobre o colapso da Jugoslávia. Ele negou as acusações.

Leia Mais:

Karadzic começa a própria defesa em Haia negando todas as acusações

Em Srebrenica, Ban pede que mundo evite massacre similar na Síria