Novos casos de ébola confirmados na Guiné Conacri

18 março 2016

Organização Mundial da Saúde, OMS, alerta para a possibilidade de novos surtos; casos foram detetados em aldeia rural; agência da ONU enviou equipa ao local.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Dois novos casos de ébola foram confirmados em uma aldeia rural na província de Nzérékoré, no sul da Guiné Conacri.

Após o anúncio, a Organização Mundial da Saúde, OMS, enviou uma equipa para a província.

Sintomas

Autoridades de saúde guineenses na região alertaram a agência da ONU e parceiros em relação a três mortes inexplicadas nas últimas semanas na aldeia de Koropara, a afirmar que integrantes da mesma famílias estavam a apresentar sintomas característicos do ébola.

O Ministério da Saúde da Guiné Conacri, OMS, o Centro de Controlo de Doenças dos Estados Unidos e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, enviaram investigadores ao local.

Emergência

Amostras foram coletadas de quatro indivíduos. Uma mulher e seu filho de cinco anos, ambos parentes dos que morreram, testaram positivo para o ébola. Os dois foram enviados para um centro de tratamento.

O Centro Nacional de Resposta de Emergência da Guiné convocou uma reunião nesta sexta-feira para coordenar a rápida resposta para conter o primeiro ressurgimento do ébola desde que foi declarado o fim do surto original no país em 29 de dezembro do ano passado.

Origens

A OMS enviou uma equipa com profissionais de diversas áreas para apoiar a resposta e mais especialistas devem chegar à região nos próximos dias.

As equipas vão trabalhar para investigar a origem das novas infeções e identificar, isolar, vacinar e monitorar todos os contatos dos novos casos e das pessoas que morreram.

Alerta Alto

As novas infeções na Guiné foram confirmadas no mesmo dia em que a OMS declarou o fim do último surto de ébola no vizinho Serra Leoa.

A agência da ONU alertou que Serra Leoa, Libéria e Guiné Conacri continuam em risco de ter novos casos de ébola, porque o vírus tem se mostrado resistente em alguns sobreviventes. A recomendação aos três países da África Ocidental é que mantenham o alto nível de alerta.

O pior surto de ébola da história começou na Guiné Conacri em dezembro de 2013 e, desde então, causou a morte de mais de 11,3 mil pessoas, principalmente no país, na Libéria e na Serra Leoa.

Leia Mais:

Serra Leoa novamente livre do ébola

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud