Ao lado de refugiados, Angelina Jolie Pitt espera que países acolham os sírios
BR

15 março 2016

No dia em que a guerra na Síria completa cinco anos, enviada especial do Acnur vai ao Vale do Beka, no Líbano; a atriz pede aos líderes de governos que enfrentem o medo, analisem a situação e vejam quantos refugiados podem receber.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

No dia em que a guerra na Síria completa cinco anos, neste 15 de março, a atriz Angelina Jolie Pitt foi ao Vale do Beka, no Líbano, conversar com refugiados sírios. Ela, que é também enviada especial da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, agradeceu ao governo libanês por ter recebido mais de 1 milhão de sírios.

Segundo Jolie Pitt, o número representa um quarto da população do Líbano, país que serve como exemplo de “generosidade, humanidade, resiliência e solidariedade”.

Pressão

A enviada especial lembrou que o foco da crise de refugiados está neste momento na Europa, mas a maior pressão ainda está sendo sentida no Oriente Médio, região que abriga 4,8 milhões de refugiados sírios.

Na Síria, 6,5 milhões de pessoas abandonaram suas casas e agora vivem como deslocadas internas. E no aniversário do conflito, Angelina Jolie Pitt diz que passar o dia ajudando o Acnur a receber os refugiados era exatamente onde ela queria estar.

Liderança

No Líbano, ela defendeu que resolver a situação desses civis demanda coragem e liderança e fez um apelo aos governantes do mundo. Jolie Pitt espera que todos analisem a situação e vejam o que os seus países podem fazer e quantos refugiados podem receber.

Outro ponto tocado pela enviada especial está ligado ao medo que muitas pessoas têm sobre a situação. Ela afirmou que entende a preocupação que pode existir sobre o impacto dos refugiados em comunidades e na segurança de um país.

Angelina Jolie Pitt disse não ser errado ter dúvidas sobre uma crise tão complexa e de enorme magnitute. Mas ela pede às pessoas para não deixarem o medo falar mais alto.

Testemunho

A atriz mencionou um encontro que teve esta terça-feira com uma mulher que ficou paralítica após ser atingida por um tiro na Síria. Ela agora vive com toda a família em um quarto pequeno e frio no Vale do Beka.

Segundo Jolie Pitt, em nenhum momento do encontro a síria lhe pediu alguma coisa, nem parou de sorrir. O maior desejo da mulher é que seus filhos tenham a chance de ir à escola e uma vida melhor.

A enviada especial do Acnur garantiu que esses refugiados são seus herois, sendo preciso garantir a essas pessoas um ambiente internacional seguro e criar a ordem a partir do caos.

Angelina Jolie Pitt falou sobre a necessidade de entender as leis internacionais, escolher não ter medo e mostrar vontade política. A atriz espera que em 15 de março de 2017, a Síria já esteja em paz, com os refugiados retornando ao país para recomeçar suas vidas.

Leia Mais:

OMS aumenta ajuda humanitária na Síria

Conversas sobre a Síria recomeçam e enviado diz ser "a hora da verdade"

Uma em cada três crianças sírias nasceu no período da guerra

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud