“Líbia está mergulhada em violência e violações de direitos humanos”

11 março 2016

Avaliação é do alto comissário da ONU, Zeid Al Hussein; no seu relatório anual ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, representante citou ainda situação no Sudão do Sul, Darfur, Burundi, Bacia do Lago Chade e República Centro-Africana, entre outros locais.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A “Líbia está atualmente mergulhada em violência e violações de direitos humanos”. A avaliação é de Zeid Al Hussein,  alto comissário das Nações Unidas para direitos humanos.

Ele disse que o relatório recente de seu Escritório “documenta violações cometidas por todas as partes, com completa impunidade”. Zeid citou que “juízes e promotores foram atacados e mortos e tribunais pararam de funcionar, ou estão a operar de forma limitada por conta dos ataques a bombas”.

África

Ao apresentar o seu relatório anual ao Conselho de Direitos Humanos, o alto comissário declarou também que a “escala, intensidade e gravidade dos abusos de direitos humanos continuaram no Sudão do Sul, apesar do acordo de paz de agosto de 2015”.

Zeid também citou a situação na República Democrática do Congo e na Bacia do Lago Chade, onde afirmou que as milícias Boko Haram continuam a causar “imenso sofrimento”.

Em relação ao Burundi, o representante disse que o governo “deu alguns passos iniciais na direção de permitir a operação de um número muito limitado de meios de comunicação independentes”.

Zeid apelou para que estas medidas sejam seguidas por outras que dêem espaço para que os media e as ONGs operem livremente.

O alto comissário permanece, no entanto, muito preocupado com relatos de “mortes, desaparecimentos forçados e prisões ilegais no Burundi, assim como o uso frequente de tortura”.

Eleições

Ao mesmo tempo, o representante declarou que a população da República Centro-Africana merece parabéns por sua recente e “predominantemente pacífica” eleição presidencial.

Para Zeid, o processo eleitoral do ano passado em Burquina Fasso também é “inspirador, a enviar uma mensagem forte ao redor do mundo a líderes que procuram permanecer no poder além de seu período legal”.

Europa

Na apresentação, o alto comissário também reiterou sua "profunda preocupação" com o "ressurgimento do racismo, da intolerância e da xenofobia na Europa".

Ele defendeu que todos os Estados devem rapidamente tomar medidas para conter a questão. Zeid enfatizou, em particular, a necessidade de processar os suspeitos de crimes, incluindo a violência racista e contra estrangeiros.

Afrodescendentes

Nos primeiros dois meses deste ano, mais de 400 pessoas morreram tentando chegar na Europa. Segundo Zeid, isso aconteceu em parte devido à falta de meios viáveis de entrada.

A maioria das pessoas tentando essa viagem são mulheres e crianças, algumas em situação de extrema vulnerabilidade.

Ele citou ainda que, como coordenador da Década Internacional dos Afrodescendentes, está particularmente preocupado com o racismo enfrentado por essa população em todo o mundo nas "mãos de policiais, juízes e autoridades relacionadas".

Leia Mais:

ONU preocupada com "ressurgimento do racismo na Europa"

"Mundo está se dirigindo para um terremoto na área de direitos humanos" | Rádio das Nações Unidas

Chefe de Direitos Humanos fala de abusos em conflitos africanos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud