“Caso Apple-FBI pode ter sérias implicações para os direitos humanos”
BR

4 março 2016

Avaliação é do alto comissário da ONU; Zeid Al Hussein teme que desbloqueio do celular de autor do massacre de San Bernardino seja como abrir uma caixa de Pandora; ele pede ao FBI para agir com bastante cautela.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O processo judicial entre o FBI e a companhia Apple poderá ter consequências negativas para os direitos de todas as pessoas do mundo, na avaliação do alto comissário da ONU para os Direitos Humanos.

Nesta sexta-feira, Zeid Al Hussein se pronunciou sobre o caso, pedindo às autoridades americanas e ao FBI para agirem com muita cautela. O FBI pede à Apple que crie um código para desbloquear o Iphone de um dos autores do massacre de San Bernardino.

O crime ocorreu em dezembro, na Califórnia, resultando na morte de 14 pessoas. O casal que realizou o tiroteio foi morto pela polícia e, na sequência, o FBI abriu uma investigação de terrorismo sobre o caso.

Alegações

A Apple alega que criar um código para desbloquear um Iphone pode abrir precedentes e colocar em risco a segurança e a privacidade de seus usuários.

Na avaliação do alto comissário da ONU, ao permitir o desbloqueio, as autoridades se arriscam a “abrir uma caixa de Pandora”, o que poderia causar implicações extremamente sérias aos direitos humanos de milhões de pessoas.

Zeid Al Hussein cita riscos à segurança física e financeira dos usuários. Enquanto a Justiça americana avalia a situação, o representante da ONU faz um apelo para que sejam considerados “impactos mais amplos”.

Opções

Ele acredita que a “possibilidade de se conseguir mais informações sobre o terrível crime cometido por Syed Rizwan Farook e sua mulher poderá gerar vários outros crimes ao redor do mundo”.

Ao mesmo tempo, o representante destaca que o “FBI merece o apoio de todos na investigação dos assassinatos de San Bernardino, um crime abominável”. Mas para Zeid, há outras formas de investigar se os assassinos tinham cúmplices além de forçar a Apple a criar um programa que fure seu próprio esquema de segurança.

Informações

O alto comissário para os Direitos Humanos acredita que se o FBI ganhar o caso contra a Apple, podem ser criados precedentes que tornem impossível para a Apple ou outras empresas de tecnologia da informação protegerem a privacidade de seus clientes.

Zeid Al Hussein defende que contatos pessoais, calendários, informações financeiras, dados de saúde e tantas outras informações privadas sejam protegidas de criminosos, hackers e governos que podem tentar usar os dados contra o povo, pelas razões erradas.

O alto comissário da ONU questiona como será possível proteger a informação das pessoas sem sistemas seguros de criptografia, especialmente em uma era onde tanto da nossa vida pessoal e profissional estão guardadas em smartphones e aparelhos similares.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud