Comitê da ONU debate igualdade de gênero e redução do risco de desastres
BR

29 fevereiro 2016

Sessão especial do Comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação contra Mulheres, Cedaw, discutiu questões de gênero relacionadas à redução do risco de desastres e à mudança climática; consulta foi o primeiro passo na elaboração de uma recomendação geral sobre o tema.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York. 

Uma sessão especial do Comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação contra Mulheres, Cedaw, na sigla em inglês, discutiu nesta segunda-feira questões  de gênero relacionadas à redução do risco de desastres e à mudança climática.

A consulta foi o primeiro passo no processo de elaboração de uma recomendação geral sobre as dimensões de gênero destas questões.

Tsunami

A secretária-geral assistente da Organização Meteorológica Mundial, OMM, citou como exemplo o tsunami no Oceano Índico em 2004.

Elena Manaenkova afirmou que na tragédia morreram mais mulheres do que homens porque elas tinham “probabilidade menor de saber como nadar e roupas longas prejudicaram seus movimentos”.

Ela mencionou ainda que das 140 mil pessoas que morreram por conta das enchentes causadas pelo ciclone Gorky, em Banglaseh, em 1991, o número de  mulheres superou o de homens em 14 vezes.

Para Manaenkova, algumas das razões para isso ter acontecido foram acesso insuficiente à informação e alertas precoces.

Plataforma 

A Plataforma de Sendai para a Redução do Risco de Desastres, um plano internacional de 15 anos adotado em março do ano passado dá atenção à questão de gênero.

O objetivo é salvar vidas e reduzir o impacto econômico de catástrofes naturais e causadas pelo homem.

A estrutura é um plano global para a redução das perdas relacionadas a desastres e foi adotada no início deste ano durante a 3ª Conferência Mundial sobre Redução do Risco de Desastres. O documento enfatiza a importância dos sistemas de alerta precoce.

Igualdade de Gênero

Segundo o chefe do Escritório da ONU para a Redução do Risco de Desastres, Unisdr, Robert Glasser, a Plataforma de Sendai dá uma “importância significativa aos direitos humanos, à igualdade de gênero e à adaptação à mudança climática”.

Ele destacou que a questão de gênero foi um componente chave da mudança da Plataforma, de gestão de desastres para gestão do risco e abordagem de suas causas.

Entre as lacunas de gênero que precisam ser abordadas, Glasser citou a participação nas tomadas de decisão, gerenciamento de recursos, medidas de proteção social, educação e saúde, assim como acesso a alerta precoce.

Leia Mais:

Comitê da ONU divulga recomendações sobre direitos de mulheres refugiadas

Assembleia Geral aprova criação do Dia Mundial do Tsunami

ONU: investimento chileno na redução do risco de desastres deu resultados

Furacão Katrina "expôs fraquezas no gerenciamento de riscos de desastres"