Conselho de Segurança debate consolidação da paz
BR

23 fevereiro 2016

Estados-membros discutiram o processo pós-conflito; representantes estão revisando a “arquitetura de consolidação da paz” em contexto com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança da ONU está debatendo esta terça-feira o processo de consolidação da paz.

O embaixador do Quênia junto às Nações Unidas e presidente da Comissão de Consolidação da Paz, Macharia Kamau, afirmou que o grupo pode contribuir na prevenção ou contra a escalada, a continuação ou o retorno de conflitos.

Arquitetura

Ele disse que a revisão da “arquitetura da consolidação de paz pós-conflito” acontece num momento crucial.

O documento pede que os Estados-membros vejam esse processo para alcançar a paz com uma ampla perspectiva e com grande determinação.

Segundo Kamau, a revisão está nos estágios finais e a ONU está sendo chamada a reexaminar o contexto entre a consolidação da paz e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O presidente da Comissão citou os pontos principais do relatório do Grupo Consultivo de Especialistas, AGE, sobre a arquitetura da consolidação da paz.

Investimento

O documento reitera a necessidade de uma abordagem ampla para lidar com a prevenção de conflitos e a paz sustentável. A chave dessa questão é, para Kamau, o investimento para evitar conflitos.

O chefe da Comissão citou também a necessidade de lidar com a fragmentação entre os vários sistemas da ONU e a importância de criar uma união para os esforços coletivos de paz e segurança.

Em terceiro lugar, Kamau afirmou que para alcançar uma paz duradoura é preciso um financiamento contínuo e adequado para lidar com as causas do conflito.

Prioridade

Ele disse que apesar de a África continuar sendo a prioridade para as operações de consolidação da paz, a comissão não quer criar a impressão de que apenas esse continente esteja “pedindo” intervenções desse tipo.

O presidente da Comissão falou sobre a importância de aumentar as parcerias com organizações regionais e sub-regionais, como também com instituições financeiras internacionais.

Nesse processo, Kamau mencionou a necessidade de trabalhar conjuntamente com a União Africana, a União Europeia, a ONU, como também o Banco Mundial e o Banco de Desenvolvimento Africano.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud