Receios de violência após anúncio do resultado das presidenciais no Uganda

19 fevereiro 2016

Desfecho da votação deve ser anunciado este sábado; chefe de direitos humanos da ONU no Uganda fala de "campanha de provocação" entre principais candidatos à corrida.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O representante do Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos no Uganda expressou preocupação com a possível erupção da violência após "abusos reportados durante a divulgação parcial dos resultados" eleitorais.

Falando à Rádio ONU, de Kampala, Uchenna Emelonye disse que está a acontecer o que chamou de "campanha de provocação" por parte de apoiantes dos principais candidatos à corrida presidencial.

Violência

Emelonye disse que o mais preocupante é que, assumindo que o resultado final seja publicado depois das 16 horas locais deste sábado, é "muito alta a possibilidade de violência" impulsionada pelos apoiantes dos candidatos.

Os mais destacados na corrida são o presidente Youweri Musseveni, no poder há mais de 30 anos, e o principal candidato da oposição, Kiiza Besigye.

O receio do representante é com a "probabilidade ainda maior" da ação da polícia ao tentar travar eventuais tumultos.

Votação

De acordo com agências de notícias, a votação ainda decorre em locais onde houve um atraso na chegada de material eleitoral que impediu a abertura das urnas na quinta-feira.

Os relatos das agências revelaram que as forças de segurança prenderam o principal candidato da oposição no dia da votação. A justificação apresentada é que o ato evitaria que este fizesse a sua própria contagem.

Em confronto entre a polícia e seus apoiantes foi lançado gás lacrimogéneo.