“Em 2016, é preciso ir das palavras para as ações”, afirma Ban Ki-moon
BR

17 fevereiro 2016

Secretário-geral da ONU falou aos Estados-membros que o mundo tem agora um “acordo climático universal” e a assinatura é “passo essencial”; cerimônia de alto nível será em 22 de abril.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU falou aos Estados-membros nesta quarta-feira que “em 2016, é preciso ir das palavras para as ações”.

Ban Ki-moon ressaltou que a cerimonônia de alto nível para assinatura do Acordo de Paris sobre mudança climática, em 22 de abril, é um “passo essencial”.

Histórico

Para o chefe da ONU, o acordo adotado na COP 21 em dezembro marcou um “ponto de virada histórico” na resposta do mundo à mudança climática.

Pela primeira vez, todo os países “prometeram cortar suas emissões, fortalecer a resiliência” e se juntar em uma causa para o bem comum.

Trabalho Conjunto

Ban afirmou que, em Paris, os “governos demonstraram que agindo juntos, podem alcançar o que ninguém pode sozinho”.

Segundo o secretário-geral, “o mundo agora tem um acordo climático universal, justo, flexível e durável”.

Ele agradeceu a todos os governos, líderes e integrantes da sociedade civil que “tornaram o Acordo de Paris possível”.

Cerimônia

Ban fez um apelo à participação de todos os governos, “no nível mais alto”, na cerimônia de assinatura do acordo e afirmou que esta será uma “ocasião histórica”.

Segundo o secretário-geral, o evento será a primeira oportunidade para os governos avançarem o processo que vai levar à implementação e ratificação do Acordo de Paris.

Para o chefe da ONU, a participação de chefes de Estado e Governo vai mostrar ao mundo que eles estão “determinados a avançar o mais rápido possível”.

Tópicos

Ban disse ainda que pediu aos líderes mundiais que venham a Nova York preparados para abordar quatro tópicos.

O primeiro é fornecer uma atualização de como serão implementados os planos climáticos nacionais e como eles serão integrados à agenda de desenvolvimento sustentável.

O segundo é apresentar um plano para chegar ao objetivo de limitar o aumento da temperatura global a menos de 2º C.

Os outros pontos são indicar um calendário nacional para a ratificação do Acordo de Paris e mostrar como os países estão acelerando suas ações climáticas antes de 2020, contando com recursos e ações de todos os setores da sociedade.