OMS quer melhorar apoio comunitário a pessoas com epilepsia

11 fevereiro 2016

Moçambique está entre os quatro países cobertos por uma iniciativa da agência; familiares dos doentes também recebem auxílio; cerca de 50 milhões de pessoas são epiléticas no mundo.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Organização Mundial da Saúde, OMS, reiterou que quer mobilizar comunidades de vários países para apoiar melhor as pessoas com epilepsia e as suas famílias.

Em Moçambique, a agência desenvolve o Programa de Redução da Lacunas de Tratamento de Epilepsia tal como no Gana, em Mianmar e no Vietname.

Tratamento

Cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo são epiléticas, de acordo com a atualização da OMS lançada na quarta-feira. A doença pode ser facilmente tratada com remédios diários a um custo que deve chegar até US$ 5 anuais.

A agência destaca que mais de três quartos de pessoas não têm acesso ao tratamento em países de baixa e média rendas. Sete em cada 10 doentes podem ser tratados com sucesso, no grupo de nações onde vivem até 80% do total das pessoas com epilepsia.

Recaídas

Entre dois e cinco anos depois de um tratamento bem-sucedido e sem crises os medicamentos podem ser retirados em até 70% das crianças e 60% dos adultos. A probabilidade é que estes não venham a ter mais recaídas.

A agência pretende expandir técnicas de cuidados primários e profissionais de saúde comunitários não especializados para diagnosticar, tratar e acompanhar as pessoas com epilepsia.

O outro alvo da iniciativa de quatro anos são os familiares dos doentes, que frequentemente sofrem estigma e discriminação.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

OMS e Acnur lançam estratégia para tratar doença mental

OMS busca ampliar tratamento de epilepsia, que afeta 50 milhões  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud