FAO alerta para rápida piora na segurança alimentar no Iêmen
BR

28 janeiro 2016

Segundo agência das Nações Unidas, mais de 14 milhões de pessoas precisam urgentemente de apoio; número representa mais da metade da população do país.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Cerca de 14,4 milhões de pessoas no Iêmen estão em situação de insegurança alimentar, o que representa mais da metade da população do país.

O conflito e as restrições a importações reduziram a disponibilidade de alimentos essenciais e levaram à alta dos preços. O alerta foi feito nesta quinta-feira pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Desnutrição

Segundo a agência da ONU, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar cresceu 12% desde junho de 2015 e 36% desde o fim de 2014.

O representante da FAO no Iêmen, Salah Elhajj Hassan, afirmou que a situação está se tornando “altamente crítica”.

Já o vice-representante e líder da equipe de resposta de emergência da agência no país, Etienne Peterschmitt, declarou que os números são “impressionantes” e chamou a situação de “uma crise esquecida, com milhões de pessoas com necessidades urgentes”.

Condições Críticas

Para Peterschmitt, “sob essas condições críticas, é mais importante do que nunca ajudar as famílias a produzir sua própria comida e reduzir sua dependência de alimentos importados cada vez mais escassos e caros”.

O Iêmen depende de importações para mais de 90% de seus alimentos básicos. Escassez de combustível e restrições de importações reduziram a disponibilidade destes itens e levaram à alta dos preços desde a escalada do conflito em março de 2015.

Forte Dependência

O Iêmen é fortemente dependente destas importações, já que apenas 4% das terras no país são aráveis e apenas uma parte está sendo usada atualmente para produção de alimentos.

Para piorar uma situação já difícil, dois ciclones atingiram o país em novembro do ano passado, o que prejudicou gravemente os meios de subsistência dos pescadores no litoral.

Cerca de 2,3 milhões de pessoas estão deslocadas dentro do país, um aumento de mais de 400% em comparação a janeiro de 2015.

Resposta da FAO

Em resposta às crescentes necessidades, a FAO aumentou seu apelo de financiamento anual para o Iêmen para US$ 25 milhões em 2016.

O objetivo é ajudar às famílias a produzirem alimento e construir resiliência com diversas atividades.

Necessidades Imediatas

Para apoiar necessidades alimentares imediatas, a agência da ONU tem trabalhado com grupos de mulheres para apoiar a agricultura no quintal das casas distribuindo sementes, ferramentas e galinhas para aprimorar a nutrição familiar e criar renda adicional no mercado.

Para apoiar agricultores com operações maiores, a FAO vai fornecer bombas de irrigação movidas a energia solar, permitindo que a produção continue apesar da falta de combustível.

Água e Vacinas

O Iêmen está entre os países com maior escassez de água. Através de um projeto na bacia de Sanaa, a agência da ONU está ajudando os agricultores a melhorar a gestão do recurso e a produtividade.

Além disso, com novo equipamento, pescadores afetados pelos recentes ciclones poderão retomar a produção.

Para manter o gado saudável e produtivo, a FAO está também trabalhando com parceiros locais para realizar campanhas de vacinação e distribuir alimentos.

Leia Mais:

Coordenador da ONU pede livre acesso à ajuda humanitária no Iêmen

Corno de África regista aumento de migração irregular em 2015

FAO: 17% das raças de animais de pecuária estão em risco de extinção