Entrevista: Angola e controlo de diamantes que alimentam conflitos

22 janeiro 2016

Cerca de 82 países aderiram ao Processo Kimberley, que pretende controlar a exportação diamantífera.  Esta sexta-feira, a Assembleia Geral adotou uma resolução sobre o Papel dos Diamantes que Alimentam Conflitos.

Estima-se que 99% do tipo de cristais são vendidos com o controlo do mecanismo de certificação que em 2015 foi presidido por Angola. O país sugeriu a criação  da iniciativa internacional no ano 2000.

O presidente-cessante do Processo Kimberley falou à Rádio ONU sobre o mandato de 12 meses. Um dos destaques foi a intervenção angolana para controlar diamantes em conflitos como o da República Centro-Africana.

Bernardo Francisco de Campos aborda do papel desse controlo para o fim de guerras em nações como Angola, Libéria e República Democrática do Congo.

Moçambique teve apoio angolano no processo para que o país possa aderir ao Processo Kimberley, que ainda está em curso. O representante fala também da participação de Estados como o Brasil na iniciativa.

Acompanhe a entrevista a Eleutério Guevane.

Duração: 04'44"

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud