Alto Comissário saúda permissão de trabalho para refugiados sírios na Turquia
BR

19 janeiro 2016

Filippo Grandi chamou a decisão de corajosa e um “passo à frente”; novos regulamentos vão permitir que muitos dos 2,5 milhões de deslocados da Síria no país possam se candidatar a licenças de trabalho.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Mudando sua política, o governo turco anunciou novos regulamentos que vão permitir que muitos dos 2,5 milhões de refugiados sírios no país possam se candidatar a licenças de trabalho.

O chefe do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, Filippo Grandi, saudou a decisão como corajosa e um grande passo.

Dignidade

Para ele, “emprego significa dignidade” e uma vida onde não é preciso “pedir dinheiro ou procurar dinheiro de associações ou do governo”.

Refugiados sírios registrados, que estejam na Turquia por pelo menos seis meses poderão se candidatar.

Aqueles que receberem as licenças terão de receber pelo menos o salário mínimo. Atualmente, muitos refugiados trabalham de forma ilegal e frequentemente recebem menos do que isso.

Exemplo

Os regulamentos valem tanto as pessoas que estão vivendo nas cidades quanto para os 10% em campos de refugiados turcos.

Em sua primeira visita oficial como alto comissário, Grandi foi à Turquia, país que abriga mais refugiados do que qualquer outro no mundo.

Falando após o anúncio dos novos regulamentos, o chefe do Acnur defendeu que outros países sigam o exemplo turco.

Leia Mais:

Prioridade do Acnur é proteger vida e direitos dos refugiados | Rádio das Nações Unidas

OIM diz que mais de 23 mil migrantes chegaram à Europa neste ano | Rádio das Nações Unidas

Boko Haram provoca crise de deslocamento que mais cresce em África | Rádio das Nações Unidas