América Latina e Caribe podem descarbonizar economias
BR

14 janeiro 2016

Declaração foi feita pela chefe da Cepal durante Fórum Internacional de Investimento, no Chile; Alicia Bárcena afirmou que países podem aproveitar investimentos estrangeiros para expandir PIB.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A chefe da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Cepal, Alicia Bárcena, afirmou que a região tem uma ótima oportunidade para “descarbonizar” suas economias.

Bárcena fez a declaração durante o Fórum Internacional de Investimento, realizado no Chile.

PIB

Segundo a secretária-executiva da Comissão, os países devem aproveitar os investimentos estrangeiros para reduzir a quantidade de carbono produzida por suas economias.

Ela declarou que isso permitirá que essas nações possam expandir o produto interno bruto, PIB e reduzir os impactos do desenvolvimento sobre o meio ambiente.

No discurso, Bárcena analisou as mudanças globais, desde a reorganização da economia mundial em blocos comerciais até a ameaça do clima passando pela revolução tecnológica e a transição demográfica, especificamente, a urbanização.

Recuperação

Os últimos dados divulgados pela Cepal mostram que a economia da região registrou uma retração de 0,4% em 2015. Para esse ano, a agência prevê uma recuperação, com um leve crescimento de 0,2%.

Além disso, as exportações regionais caíram 14% no ano passado e o investimento estrangeiro direto teve uma queda de 21% somente nos primeiros seis meses de 2015.

Bárcena afirmou que os países da região precisam de entradas de divisas líquidas, criação de emprego direto e indireto e equilíbrio entre as estratégias do setor privado e os objetivos de desenvolvimento nacionais.

A chefe da Cepal falou ainda sobre a importância de os países da América Latina e do Caribe de potencializarem o comércio intra-regional e a integração das cadeias de valor.

Ela deu como exemplo a agroindústria, produtos de metais e energia renovável no comércio entre a América Central e o México. No caso da América do Sul, Bárcena citou a indústria química e também a agroindústria e os produtos de metais.

Leia Mais:

Entrevista: Economia da América Latina em 2016

Cepal prevê que economia da América Latina cresça apenas 0,2% em 2016

Cepal alerta para elevado número de feminicídio na América Latina e Caribe

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud