Unesco: racismo não vai sumir dos estádios de futebol “num passe de mágica”
BR

1 dezembro 2015

Agência da ONU e time italiano Juventus publicaram relatório sobre as ações para enfrentar e pôr um fim à discriminação e ao racismo no futebol.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York. 

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, e o time italiano Juventus publicaram o primeiro panorama abrangente sobre as ações para enfrentar e pôr um fim à discriminação e ao racismo no futebol.

No prefácio do relatório, a chefe da agência da ONU, Irina Bokova, afirmou que o esporte fornece uma plataforma única para promover os valores de diálogo intercultural, entendimento e igualdade de gênero, assim como fortalecer a inclusão social.

Alerta

No entanto, ela alertou que o esporte também pode ser explorado para dividir e discriminar. O documento foi lançado neste fim de semana, em Paris.

O relatório faz um balanço do que foi e está sendo feito para combater o racismo e a discriminação no esporte.

A publicação também estuda formas de avaliar as ações tomadas e prevê outras complementares, além de oferecer exemplos de melhores práticas.

Contratos

Para combater o desafio, a Unesco está trabalhando com todos os seus parceiros para promover a inclusão de cláusulas contra discriminação e racismo nos contratos dos jogadores.

Segundo Irina Bokova, desde 2009, em diversas parcerias com times de futebol como o Barcelona, na Espanha, o Ruby Shenzhen, na China, o Al Hilal, na Arábia Saudita e o Juventus, na Itália, a Unesco tem enfatizado o papel dos clubes na propagação de mensagens essenciais de tolerância, respeito e inclusão.

Leia Mais:

Unesco e Juventus na luta contra a discriminação

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud