ONU marca Dia Mundial de Combate à Aids com “nova esperança”
BR

1 dezembro 2015

Secretário-geral afirmou que líderes mundiais assumiram o compromisso de acabar com a epidemia até 2030; plano faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável adotados pela comunidade internacional em setembro.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que a organização marca o Dia Mundial de Combate à Aids, esta terça-feira, 1º de dezembro, “com uma nova esperança”.

O chefe das Nações Unidas disse que os líderes mundiais assumiram, de forma unânime, o compromisso de acabar com a epidemia da Aids até 2030, como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, adotados em setembro.

Importante

De Harare, no Zimbábue, onde participa de uma Conferência sobre Aids na África, o médico do Departamento de HIV/Aids da OMS, Marco Vitória, falou sobre o fim da doença em entrevista à Rádio ONU.

“É importante deixar claro que enquanto dizemos que existe a perspectiva de se eliminar a doença Aids como problema de saúde pública, não significa eliminar totalmente o número de casos, e sim uma redução drástica, bem acentuada do número de novos casos e novas infecções. Hoje nós temos aproximadamente 2 milhões de casos de infecções por HIV todos os anos. A meta é reduzir isso para menos de 200 mil pessoas infectadas por ano, ou seja, não é literalmente acabar com a epidemia. Agora, o importante é deixar claro que o objetivo também é reduzir o número de mortes causadas pela doença na mesma proporção.”

O chefe da ONU afirmou que esse compromisso dos líderes mundiais reflete o poder da solidariedade para forjar, a partir de uma doença destrutiva, um dos movimentos mais inclusivos da história moderna.

Oportunidade

Ele alertou que “a janela de oportunidade para agir está se fechando”. Por isso, Ban que a implementação da iniciativa chamada “Fast-Track” para disponibilizar investimento e reduzir a lacuna entre necessidades e serviços.

O secretário-geral explicou que para pôr um fim à epidemia e evitar que ela volte, a comunidade internacional deve agir em várias frentes.

Segundo ele, é preciso mais do que dobrar o número de pessoas recebendo tratamento para alcançar os 37 milhões que vivem com o HIV.

Para Ban, é necessário também fornecer acesso à educação e opções de proteção contra o vírus a mulheres jovens e adolescentes. Outro ponto importante citado pelo chefe da ONU é conceder a setores chave da população acesso total a serviços prestados com dignidade e respeito.

O secretário-geral afirmou que acabar com a Aids é essencial para o sucesso da campanha “Cada Mulher, Cada Criança” e também da Estratégia Global para garantir a saúde e o bem-estar de mulheres, crianças e adolescentes no prazo de uma geração.

Leia Mais:

OMS quer ampliar tratamento antirretroviral contra HIV

Unicef: mortes de adolescentes por Aids triplicaram desde 2000

Unaids diz que 15,8 milhões de pessoas com HIV recebem tratamento

Cerca de 350 mil adolescentes foram infectadas pelo HIV em 2014

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud