Empresas pedem que acordo climático global inclua cobrança de carbono
BR

26 novembro 2015

Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, COP 21, começa na próxima segunda-feira, 30 de novembro; empresas pedem um acordo ambicioso em Paris que encoraje crescimento econômico e crie empregos.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Presidentes de 78 grandes empresas pediram a líderes mundiais que incluam uma cobrança para emissões de carbono no acordo climático global que deve ser assinado durante a Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, COP 21.

O encontro começa na segunda-feira, 30 de novembro. O grupo, que foi organizado pelo Fórum Econômico Mundial e tem um volume de negócios conjunto de US$ 2,1 trilhões por ano, escreveu uma carta aberta aos chefes de Estado.

Acordo Ambicioso

O grupo inclui empresas como Siemens, HSBC, Accenture, BT Group, Dow Chemical, PepsiCo, Nestlé, Unilever e PwC.

As empresas pedem um acordo ambicioso em Paris que encoraje crescimento econômico e crie empregos.

Na carta, os empresários afirmam “acreditar que políticas climáticas eficazes devem incluir preços implícitos ou explícitos sobre carbono obtido através de mecanismos do mercado ou medidas legislativas coerentes, de acordo com preferência nacionais”.

Histórico

Para os presidentes das empresas, a cobrança sobre carbono levaria a investimentos de baixo carbono e a transformação dos padrões atuais de emissões em uma escala significativa”.

Os líderes empresariais também explicam como estão adotando ações voluntárias para reduzir suas emissões e “pegadas” de carbono.

Os 193 Estados-membros da ONU se reúnem na capital francesa a partir da próxima segunda-feira para tentar chegar a um acordo climático histórico.

O objetivo é cortar as emissões de gases que causam o efeito estufa e manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2ºC.

Confira a cobertura completa da Rádio ONU sobre a COP 21.