Para ONU, não se "tomará o poder pela força" na República Centro-Africana

22 outubro 2015

Representante do secretário-geral defendeu que os cidadãos desejam expressar-se através de eleições; chefe humanitário quer ajuda urgente para responder à dimensão do desafio humanitário no país.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O representante do secretário-geral das Nações Unidas na República Centro-Africana declarou que a tomada do poder pela força não será permitida a aqueles que pretendem fazê-lo no país.

Em nota, Parfait Onanga-Anyanga pediu a todas as partes que deixem que os centro-africanos se expressem através das eleições.

Referendo

O enviado declarou que mais de 90% dos eleitores foram registrados, o que demonstra o desejo das pessoas de se manifestarem através do pleito. Autoridades locais preveem realizar as eleições ainda este ano após um referendo constitucional.

O subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários encerra esta sexta-feira a sua visita ao país.

Violência

Esta quinta-feira, Stephen O'Brien reuniu-se com deslocados no acampamento Saint-Saveur, no bairro de PK5 da capital Bangui. A área abriga a maioria das 62 mil pessoas obrigadas a fugir das suas casas devido à onda de violência iniciada em setembro.

Durante a sua visita, o também coordenador do Auxílio  de Emergência abordou os desafios para assistência às comunidades afetadas pela violência e pela insegurança junto de agências humanitárias no país.

Auxílio 

O encontro ocorreu no mesmo dia em que O'Brien libertou US$ 12 milhões do Fundo Central de Resposta de Emergência das Nações Unidas, Cerf, para dar auxílio essencial aos necessitados no país.

Apesar de considerar vital a resposta do Cerf para as operações humanitárias, o responsável declarou que é urgentemente necessário um valor adicional para fazer frente à dimensão do desafio.

Deslocados

Cerca de 2,7 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária, o que ultrapassa a metade da população do país. Cerca de 400 mil deslocados internos estão espalhados pelo território centro-africano além de 454 mil pessoas abrigadas nas nações vizinhas.

Depois da visita à República Centro-Africana, o coordenador segue para os Camarões, onde deve reunir-se com funcionários do governo.

Leia Mais:

Grupo armado deteve sete polícias da ONU na República Centro-Africana

Ocha: 100 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária no mundo

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud