Zimbabué: necessários US$ 86 milhões para combater insegurança alimentar

13 outubro 2015

Escritórios das Nações Unidas no país pedem ação coordenada e pró-ativa de parceiros de cooperação do país; baixa produção agrícola, chuvas fracas e efeitos do El Niño podem afetar mais de 50 distritos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Zimbabué precisa de US$ 86 milhões para cobrir o valor em falta para um plano de apoio a 1,5 milhão de pessoas afetadas pela insegurança alimentar em todo o país.

Um apelo lançado pelas Nações Unidas aos parceiros humanitários destaca a urgência de doação do montante para prestar auxílio a vários setores em 52 distritos.

Meios de Subsistência

A maior parte do montante, US$ 41 milhões, será aplicada na assistência alimentar. Outros US$ 32 milhões serão investidos na agricultura e em atividades para garantir meios de subsistência.

O valor restante deve ser investido em atividades de nutrição, na proteção e nas redes de segurança social além da garantir água, saneamento e higiene para as populações mais vulneráveis do país.

Estiagem

A Comissão de Avaliação da Vulnerabilidade do Zimbabué revelou que a insegurança alimentar foi causada pela perda de produção agrícola, principalmente devido a longa estiagem em áreas do sul e do sudeste.

O outro fator foram as chuvas fracas em todo o país. Os efeitos do fenómeno climático El Niño na próxima temporada também estão a ameaçar a segurança alimentar zimbabueana.

As Nações Unidas apelaram a uma ação concertada e pró-ativa para atender às necessidades imediatas das populações e para que haja investimentos nos esforços nacionais de reforço da resiliência.

Leia Mais:

Zimbabué precisa de “tempo e esforços” para sentir benefício de reformas

PMA aposta nas redes sociais para alertar sobre fome no Zimbabué