Secretário-geral da ONU pede auditoria após denúncia de corrupção
BR

8 outubro 2015

Escritório de Serviços de Fiscalização ficará encarregado de avaliar interações ocorridas entre Nações Unidas, Fundação Global de Sustentabilidade e Grupo Sun Kian Ip; ex-presidente da Assembleia Geral acusado de receber propina.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu uma auditoria sobre o caso do ex-presidente da Assembleia Geral, John Ashe, que foi acusado pelas autoridades americanas de ter recebido propina de mais de US$ 1 milhão de empresários chineses.

Em troca, Ashe teria apresentado uma resolução apoiando a construção de um centro da ONU em Macau. Natural de Antígua e Barbuda, ele foi presidente do órgão entre 2013 e  2014.

Investigação

Nesta quinta-feira, o secretário-geral Ban Ki-moon pediu uma auditoria ao Escritório Interno de Serviços de Fiscalização da ONU. Será avaliada a interação ocorrida entre as Nações Unidas, a Fundação Global de Sustentabilidade, da qual Ashe faz parte, e o Grupo Sun Kian Ip.

A auditoria vai incluir também uma investigação sobre o uso de qualquer quantia de dinheiro que a ONU possa ter recebido dessas entidades. Ban está muito preocupado com a gravidade das alegações, que segundo ele, tocam o “coração do trabalho das Nações Unidas e seus países-membros”.

O secretário-geral reafirmou que “não haverá tolerância para casos de corrupção na ONU ou em nome da organização”. Ban está comprometido em garantir que o dinheiro recebido dessas entidadades privadas seja tratado de acordo com as regras das Nações Unidas.

Leia Mais:

Ban "chocado" com alegações contra o ex-presidente da Assembleia Geral