Enviado da FAO destaca progressos para o fim da fome em países lusófonos

5 outubro 2015

Angola, Brasil, Moçambique e São Tomé e Príncipe citados pelos avanços nos últimos 15 anos; representante da agência junto à Cplp menciona instabilidade na Guiné-Bissau como obstáculo para progressos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Os países lusófonos estão a dar passos muito significativos para erradicar a fome, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

O representante da agência junto à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, disse à Rádio ONU que os Estados-membros devem dar atenção à diferença de necessidades entre as populações das áreas urbanas e rurais. As declarações de Hélder Muteia foram feitas de Lisboa.

Estratégia

"Vemos que alguns países como Angola, por exemplo, deu passos muito sólidos ao reduzir cerca de 77.6%. São Tomé e Príncipe 71.2% e Moçambique 55%. Portanto, os países estão a reduzir significativamente."

A FAO e a Cplp implementam uma estratégia de segurança alimentar e nutricional desde 2013, que prevê erradicar fome no bloco com 22 milhões de afetados pelo problema.

A iniciativa destaca atividades nacionais, regionais e globais. Entretanto, Muteia chamou a atenção para o impacto da instabilidade política sobre os esforços dos países.

Melhorias

"A Guiné-Bissau reduziu, desde 1990-92, em apenas 10% e o número de pessoas que passam fome aumentou. São dois dados diferentes uma coisa é a percentagem e a outra é o número de pessoas que passam fome. Na Guiné-Bissau nós conhecemos também os motivos, a instabilidade política que existe neste país. No computo geral, nos países da Cplp houve melhorias significativas."

O representante também mencionou a prestação positiva do Brasil nas ações de combate à fome nos últimos 15 anos. O país lidera os casos de sucesso da comunidade.

Acelerar o Passo

"O Brasil, por exemplo, conseguiu reduzir a incidência da fome para menos de 5%. O valor equivale ao índice que tivemos nos países mais desenvolvidos. Portanto o Brasil, através de políticas públicas e de uma intervenção concreta não só do setor público mas do setor privado e das associações, conseguiu alcançar este patamar que vale a pena referenciar. Estamos no bom caminho e é preciso continuarmos com o mesmo vigor e com a mesma força e, se possível, até acelerarmos o passo."

O plano conjunto cobre a criação e o reforço de Conselhos para Segurança Alimentar e Nutricional, no bloco com cerca de 250 milhões de pessoas.

A iniciativa envolve a coordenação das partes para executar a estratégia em parceria com organizações de vários setores, incluindo a sociedade civil.

Leia Mais:

Entrevista: José Graziano da Silva

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud