OMS alerta que número de pessoas com mais de 60 vai dobrar até 2050
BR

30 setembro 2015

Relatório da agência da ONU diz que isso vai exigir uma mudança radical da sociedade; criança nascida hoje no Brasil viverá 20 anos mais do que as que nasceram há cinco décadas.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou que o número de pessoas com mais de 60 anos vai mais do que dobrar até 2050.

Um relatório divulgado esta quarta-feira pela agência da ONU afirmou que isso vai exigir uma mudança radical da sociedade.

Brasil

O documento cita, por exemplo, que uma criança nascida hoje no Brasil vai viver mais 20 anos do que as que nasceram há cinco décadas.

O relatório da OMS marca o Dia Internacional das Pessoas Idosas, comemorado neste 1º de outubro.

A diretora-geral da agência, Margaret Chan, disse que “atualmente, mesmo nos países mais pobres, as pessoas estão vivendo mais”. Chan declarou que isso não é o suficiente.

Segundo a chefe da OMS, “é preciso garantir que esses anos extras sejam saudáveis, significativos e com dignidade”. Para ela, atingir essa meta será bom não só para os idosos, mas para toda a sociedade.

Estereótipo

Apesar do avanço, o relatório da OMS mostrou que contrariando a crença geral, não “há prova de que os 70 anos atuais representem o que muitos chamam de novos 60”.

O documento explica que enquanto algumas pessoas estão, realmente, tendo vidas mais longas e saudáveis, elas geralmente pertencem aos segmentos mais altos da sociedade.

O chefe do departamento de Idosos da OMS, John Beard, afirmou que “as pessoas dos níveis em maior desvantagem, dos países mais pobres e com menos oportunidades e recursos são as que apresentam as condições de saúde mais frágeis”.

O relatório rejeita claramente o estereótipo de que os idosos são frágeis e dependentes e diz que muitas das contribuições feitas por eles são ignoradas.

Além disso, os especialistas afirmam que as “demandas que o envelhecimento da população terá sobre a sociedade são, frequentemente, exageradas e muito enfatizadas”.