África Ocidental tem 1,8 mil pessoas em observação por suspeita de ébola

17 setembro 2015

OMS disse que passou a dar seguimento a cerca 300 pessoas apenas na semana passada; Guiné Conacri completou primeira semana livre da doença; Serra Leoa tem 60 pessoas consideradas "em alto risco".

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Cerca de 1,8 mil pessoas estão sob observação por terem mantido contacto com pacientes de ébola na Guiné Conacri e na Serra Leoa.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS, na semana passada mais 300  pessoas passaram para essa situação. A agência anunciou que até domingo foram registados cinco casos da doença, todos na Serra Leoa.

Morte

A mais recente atualização, divulgada em Genebra, destaca uma investigação em curso para descobrir a origem do caso que culminou com a morte de uma menina de 16 anos, na área serra-leonina de Bombali Sebora.

Ela esteve doente na comunidade durante vários dias, antes de perder a vida logo depois de ser admitida num centro de tratamento.

Alto Risco

Mais de 600 pessoas com quem a paciente manteve contacto foram identificadas na área, que ficou cinco meses sem doentes. No país, estima-se que 60 pessoas estejam em alto risco de adoecer.

De acordo com a  OMS, a Guiné Conacri registou a sua primeira semana livre do ébola em mais de 12 meses. No total, 11.306 óbitos foram registados durante o surto que teve 28.256 pessoas infetadas.

Leia Mais:

OMS cria equipa com Portugal para avaliar gestão de fluxo de migrantes

ONU saúda progressos obtidos em várias frentes na Libéria