Países adotam documento com visão sobre as florestas em 2050
BR

11 setembro 2015

No encerramento do Congresso Florestal Mundial, foi assinada uma declaração reconhecendo que as florestas são muito mais do que árvores; especialista da FAO fala sobre a importância para reverter a mudança climática.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

O manejo sustentável das florestas pode ter um papel decisivo para o fim da fome e para o combate à mudança climática, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, FAO.

Esse foi o destaque do encerramento, nesta sexta-feira, do Congresso Florestal Mundial, ocorrido em Durban, na África do Sul. Após uma semana de debates, os países assinaram a Declaração de Durban, que traz uma visão sobre como as florestas devem estar em 2050.

Alimentação

Segundo a FAO, essa visão reconhece que as “florestas do futuro são fundamentais para a segurança alimentar e para melhorar os meios de subsistência das famílias”.

Logo após a assinatura da declaração, a Rádio ONU entrevistou o diretor de manejo florestal da FAO. De Durban, Eduardo Mansur explicou outros pontos do documento.

Carbono

“O discurso é que floresta não é só árvore. Floresta é todo o entorno que existe em relação aos recursos, aos alimentos, à energia, à proteção do solo, da água, os serviços ambientais. A importância da restauração de florestas degradadas e também a questão da destruição, do desmatamento, da degradação, que causa a emissão de carbono para a atmosfera. Sendo uma solução, porque florestas manejadas, florestas conservadas contribuem para uma condição essencial para (resolver) o problema da mudança climática.”

Eduardo Mansur destaca que no início da semana, a FAO apresentou no congresso números impactantes sobre o desmatamento entre 1990 e 2015.

Degradação

“O planeta perdeu uma área florestal mais ou menos equivalente ao tamanho da África do Sul; 129 milhões de hectares é a estimativa. Uma má notícia que impactou bastante aqui no congresso. A boa notícia é que a taxa de desmatamento diminuiu nos últimos cinco anos. Enquanto que nos anos 1990 essa taxa anual era de 0,18% ao ano, hoje é menos da metade. Nos últimos cinco anos, tem se mantido na faixa de 0,08% ao ano.”

Segundo o representante da FAO, o Congresso Florestal Mundial ocorre a cada seis anos e desta vez, contou com 4 mil participantes de 142 países. Foram apresentados cerca de 900 documentos sobre florestas, sendo que 30% eram de autores africanos e 30% escritos por mulheres.

Leia Mais:

Entrevista: Declaração de Durban sobre Florestas

Demanda de madeira pode triplicar até 2050 em África, diz relatório

Encontro pede investimento em florestas para desenvolvimento sustentável