Iraque já tem mais de 3,1 milhões de deslocados internos, segundo OIM
BR

17 agosto 2015

Organização Internacional para Migrações identificou total de desalojados entre janeiro do ano passado e julho; 87% saíram de Anbar, Nínive ou Salah al-Din; capital Bagdá está abrigando mais de meio milhão dos civis.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

A Organização Internacional para Migrações, OIM, fez um levantamento entre janeiro do ano passado e julho deste ano e descobriu que mais de 3,1 milhões de pessoas abandonaram suas casas no Iraque.

Esses civis vivem agora em outras regiões dentro do país, formando um total de quase 530 mil famílias deslocadas. Com base nos dados, a equipe humanitária da ONU no Iraque revisou seu planejamento de resposta humanitária para atender quase 3,2 milhões de desalojados internos.

Fluxo

Segundo a OIM, agência parceria da ONU, quase 87% desses civis saíram de três províncias: Anbar (40% ou mais de 1,2 milhão de pessoas), Nínive (33%) e Salah al-Din (14%).

Nas últimas duas semanas de julho, Anbar e Kirkuk foram as províncias iraquianas onde houve o maior aumento de fluxo de deslocados internos. Essas pessoas saíram de suas casas e buscaram abrigo em outras regiões do país.

Itens de Ajuda

Apesar de muitas pessoas terem abandonado Anbar, a província foi a que mais recebeu desalojados no período: quase 585 mil pessoas. A capital do Iraque, Bagdá, está abrigando mais de 538 mil deslocados internos, seguida de Dahuk, Kirkuk e Erbil.

Em julho, a entidade conseguiu distribuir mais de 6 mil kits com itens para ajudar a população, como ventiladores à bateria, toalhas, colchões, sabonetes, escovas de dente e lençóis.

A população de deslocados é identificada por um processo de coleta, verificação e validação de dados. A OIM coordena com autoridades federais e locais as informações para manter um entendimento preciso dos desalojados no país.

Leia Mais:

Dia Mundial Humanitário: OMS pede proteção a trabalhores de saúde

Enviado para o Iraque condena ataque a bomba que matou 45 pessoas

PMA reduz ajuda para refugiados sírios na Jordânia