Crise do Burundi debatida por enviados internacionais em Nairobi

12 agosto 2015

Sessão envolveu delegados da ONU, dos Estados Unidos, da União Europeia e da União Africana; apelo ao governo de Bujumbura é que use o diálogo para resolver instabilidade política.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Um grupo de representantes internacionais pediu contenção e a retomada urgente do diálogo no Burundi, numa reunião realizada esta quarta-feira na capital queniana Nairobi.

Estiveram presentes no encontro os enviados para a região dos Grandes Lagos do secretário-geral da ONU, Said Djunnit, dos Estados Unidos Thomas Parrielo, da União Europeia, Koen Varvaeke, e da União Africana, Ibrahima Fall.

Instabilidade

O grupo declarou que Governo do Burundi "não pode dar-se ao luxo de continuar a seguir um rumo marcado pela instabilidade, pela divisão, pelo extremo declínio económico e pela crise humanitária".

Mais de 200 mil burundeses procuraram abrigo na região devido à crise. A Tanzânia acolhe  pelo menos 85,2 mil refugiados do país vizinho. Seguem-se o Ruanda, o Uganda, a República Democrática do Congo e o Quénia.

Retorno

A nota refere que um diálogo para trazer uma solução para a instabilidade política no Burundi é o melhor caminho para incentivar o retorno seguro refugiados e evitar a instabilidade regional.

Os delegados condenaram incidentes recentes no país, incluindo o assassinato de general Adolphe Nshimirimana,  além de ataques contra o ativista de direitos humanos Pierre Claver Mbonimpa e o jornalista Esdras Ndikumana.

Credibilidade

O grupo pediu ao governo do Burundi que comece a restaurar a credibilidade através do envolvimento num diálogo político inclusivo com partidos políticos, após "meses de agitação e do processo eleitoral controverso".

Entre as formações políticas mencionadas como participantes pelos enviados incluem a oposição e o Cndd-Fdd no poder e sociedade civil.

Leia Mais:

ONU aprova envio de funcionário de alto nível para o Burundi

ONU condena tentativa de assassinato de ativista no Burundi

Em conferência telefónica, chefe da ONU e líderes africanos debatem o Burundi