Timor-Leste fala de globalizar o português "sem mudanças dramáticas"

3 agosto 2015

Vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação defende que iniciativas regionais dos Estados-membros podem projetar a língua; país avalia que mudou perceção sobre o idioma no sudeste asiático.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Timor-Leste revela acreditar que a promoção de atividades com o uso da influência regional dos Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, pode "globalizar" o bloco e o idioma de Camões.

A declaração foi feita em Nova Iorque, pelo vice-ministro timorense dos Negócios Estrangeiros. Roberto Soares disse que iniciativas promovidas pelo seu país estão a dar resultado em pelo menos nove nações vizinhas.

Conhecimento

"Timor-Leste é o único país-membro localizado na região do sudeste asiático. Para nós, é importante introduzir a língua portuguesa nesta região. Depois, os países do sudeste asiático e da Ásia e Pacífico em geral devem ter pelo menos conhecimento sobre Timor-Leste e os países da Cplp."

O vice-chefe da diplomacia timorense disse que para essa expansão não são necessárias "mudanças dramáticas" nos pilares do bloco. Além de promover a política e a diplomacia,

image
Roberto Soares. Foto: Rádio ONU

a Cplp aposta na cooperação económica, social e cultural entre os seus integrantes.Relação

"Se agora qualquer cidadão da Cplp viajar para a região do sudeste asiático como Singapura, pelo menos as populações sabem que países de língua portuguesa praticamente estabeleceram uma relação muito especial. Eles sabem que há nove países comprometendo-se a salvaguardar a língua portuguesa."

Roberto Soares disse ainda que essas iniciativas podem ser levadas para outros países do mundo, com uma divulgação individual dos Estados-membros do bloco.

África, Portugal e Brasil

"Países da Cplp em África podem fazer programas e atividades para introduzir melhor as iniciativas da organização nesse continente. Com certeza, Os portugueses também fariam isso e os brasileiros também na América Latina."

A globalização da Cplp é um dos conceitos introduzidos pela presidência timorense do bloco lusófono, que termina em 2016.

O país já avançou a proposta de um consórcio de exploração petrolífera e defende ainda a criação de um banco comercial da comunidade que reúne países da língua com mais de 240 milhões de falantes.

Leia Mais:

Timor-Leste considera ideia de banco comercial para a Cplp

Entrevista: Timor-Leste, Cplp e produção energética

Timor-Leste quer insistir na ideia de consórcio lusófono para explorar petróleo

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud