Alcançado apenas 15% do apelo financeiro para o Iémen

15 julho 2015

Escritório de Coordenação Humanitária da ONU pediu US$ 1,6 mil milhão para ajudar o país em 2015, mas foram feitas poucas doações até agora; dos 21 milhões de civis vulneráveis, apenas 4,4 milhões receberam assistência.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

As Nações Unidas afirmaram que são necessários US$ 1,6 mil milhão para ajudar a população do Iémen em 2015. Mas o ano já está no segundo semestre e até o momento, apenas 15% do montante foi financiado.

Os dados foram divulgados esta quarta-feira pelo Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha. A nota destaca que os iemenitas continuam a sofrer imenso, uma vez que a violência aumentou.

Baixas

O maior número de mortes foi registado esta semana, com ataques contra mesquitas, escolas e mercados. O conflito no Iémen iniciou em março e desde então, 3,5 mil pessoas morreram, 16 mil foram feridas e 1,3 milhão decidiu abandonar as suas casas.

Segundo o Ocha, ataques aéreos, combates, redução das importações, redução das reservas de comida e combustível e o colapso dos sistemas de água, saúde e educação, transformaram o Iémen numa “catástrofe humanitária”.

Água e Comida

Cerca de 80% da população do país, ou 21 milhões de pessoas necessitam de ajuda humanitária. Mas apenas 4,4 milhões receberam assistência, porque falta dinheiro para ajudar a todos.

O Ocha informou que mais de 2 milhões de civis receberam comida; 33 mil crianças malnutridas foram tratadas e 3,3 milhões receberam serviços de água e de saneamento.

Na semana passada, um comboio da ONU chegou a Áden, com medicamentos, vacinas, alimentos e itens de higiene para ajudar 500 mil pessoas. O Ocha pede aos lados em conflito para tomar medidas urgentes de protecção aos civis e para permitirem a passagem dos comboios de ajuda humanitária.

*Apresentação: Denise Costa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud