FAO prevê boa produção em 2015, mas alerta para insegurança alimentar
BR

9 julho 2015

Índice de Preços dos Alimentos da agência está em seu nível mais baixo desde setembro de 2009; cerca de 34 países em todo o mundo, muitos abrigando grande número de refugiados, precisam de assistência alimentar externa.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O Programa das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, FAO, afirmou que as condições favoráveis em todo o mundo para a produção de cereais vão gerar uma produção melhor do que a esperada nesta temporada.

Esta expectativa vale apesar da apreensão contínua com o El Niño, da preocupação crescente com uma queda no cultivo de milho na África Subsaariana, assim como uma produção pequena em outros locais de insegurança alimentar.

Preços

O Índice de Preços dos Alimentos da agência caiu 0,9% em junho, em relaçã ao mês anterior. A taxa registrou uma queda de 21% em comparação há um ano e está em seu nível mais baixo desde setembro de 2009.

O declínio é resultado principalmente de uma queda nos preços do açúcar e dos laticínios.

O aumento da demanda mundial de alimento para pecuária, especialmente no Brasil, China e Estados Unidos, está sustentanto os preços dos grãos, incluindo o milho.

Mas segundo a FAO, essas tendências globais de preços e perspectivas favoráveis para a produção mundial de cereais, escondem áreas localizadas de insegurança alimentar.

Assistência

Cerca de 34 países em todo o mundo, incluindo 28 na África e muitos abrigando grandes números de refugiados, precisam de assistência alimentar externa.

O relatório da FAO desta quinta-feira destaca condições de segurança alimentar “alarmantes” em áreas afetadas por conflitos no Sudão do Sul. No país africano, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar quase dobrou para cerca de 4,6 milhões desde o início de 2015.

O estudo mostra que apesar das perspectivas melhores, o Oriente Médio enfrenta uma crescente crise humanitária.

A expectativa é que a produção de cerais na região se recupere da seca do ano passado. No entanto, conflitos continuam a ter grande impacto na agricultura, e a agência menciona as crises humanitárias no Iêmen, no Iraque e na Síria.

Iêmen

A FAO destaca a situação no Iêmen, onde há 12,9 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar.

Cerca de 6,1 milhões estão na fase de “emergência” e 6,8 milhões na fase de “crise”, representando um aumento de 21% em relação ao ano anterior.

Na Ásia, a expectativa é que uma safra recorde na China e no Paquistão compense declínios em outros locais, principalmente na Índia.

No Nepal houve queda na produção de comida por conta dos danos causados pelos terremotos. Na Coreia do Norte, a expectativa é de que um período de seca grave reduza a produção de cereal em 2015.

Leia Mais:

ONU prevê redução no preço dos alimentos na próxima década

Importação de alimentos pode atingir nível mais baixo em cinco anos

FAO: acabar com a fome de uma vez por todas deve ser movimento global

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud