ONU alerta que impostos e alfândega atrasam entrega de ajuda no Nepal
BR

9 julho 2015

Alerta foi feito pelo diretor do escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas, John Ging; terremotos no país mataram mais de 8,8 mil pessoas e deixaram milhares de feridos em maio e junho.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O diretor de operações do escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, John Ging, afirmou que impostos e os atrasos na alfândega estão impedindo a entrega de ajuda de emergência no Nepal.

Dois grandes terremotos atingiram o país em abril e maio e deixaram mais de 8,8 mil mortos e milhares de feridos. Quase 600 mil casas foram destruídas e outras 285 mil sofreram danos. Aproximadamente 2,2 milhões de pessoas estão desabrigadas.

Resposta Humanitária

Ging disse esta quarta-feira que “o período para alcançar as comunidades em áreas mais remotas está chegando ao fim”. Com a chegada da temporada de monções, que são chuvas intensas, o acesso a vilarejos nas montanhas se torna impossível.

Apesar da resposta humanitária ter levado alimentos para 2,1 milhões de pessoas e fornecido abrigo a 250 mil famílias, centenas de milhares continuam necessitando de ajuda.

O diretor de operações da ONU afirmou que os esforços de socorro têm sido “impressionantes”, especialmente com o trabalho “heroico” realizado pelas comunidades afetadas, organizações locais e pelo governo.

Solidariedade

Ging mencionou ainda a enorme solidariedade internacional para ajudar milhões de pessoas que perderam tudo com a tragédia.

Ele disse que materiais humanitários de abrigos continuam parados no aeroporto de Katmandu e na fronteira do país com a Índia por causa da burocracia.

O coordenador da ONU afirmou que por causa disso, 100 mil pessoas deixaram de receber a ajuda no momento em que se aproxima a temporada de chuvas.

Ging declarou ainda que do apelo humanitário de US$ 195 milhões para cobrir as operações até setembro, a ONU recebeu menos da metade desse montante.