Agências da ONU alertam para riscos à saúde causados por ondas de calor
BR

1 julho 2015

Orientações são da Organização Metereológica Mundial, OMM, a Organização Mundial da Saúde, OMS; segundo agências ondas de calor estão se tornando mais frequentes e intensas como resultado da mudança climática.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Metereológica Mundial, OMM, e a Organização Mundial da Saúde, OMS, lançaram uma nova orientação conjunta sobre sistemas de alerta para abordar riscos à saúde causados por ondas de calor.

O documento afirma que elas estão se tornando mais frequentes e intensas, como resultado da mudança climática.

Mudança Climática

De acordo com o Painel Intergovernamental sobe Mudança Climática, a duração, frequência e intensidade das ondas de calor devem crescer durante este século. Além do impacto na saúde, elas também afetam o setor de infraestrutura, como energia, água e transporte.

Recentemente, centenas de pessoas morreram em ondas de calor na Índia e no Paquistão. O fenômeno na Europa também causou a morte de dezenas de milhares de pessoas no verão do hemisfério norte, em 2003, assim como na Rússia em 2010.

Redução de Riscos

Segundos as agências da ONU, os riscos à saúde relacionados ao calor podem ser reduzidos através do desenvolvimento sistemático de sistemas de alerta precoce.

Diversos países em todo o mundo desenvolveram de foram bem-sucedida estes sistemas, que precisam de coordenação entre os serviços meteorológicos e de saúde.

O objetivo da publicação "Ondas de Calor e Saúde: Orientação sobre o Desenvolvimento de Sistemas de Alerta" é promover um amplo avanço no desenvolvimento e implementação desses programas.

Ação Conjunta

A diretora de Saúde Pública da OMS, Maria Neira, e o diretor de Previsão Climática e Adaptação da OMM, Maxx Dilley, afirmaram que  "preocupações crescentes sobre a mudança do clima trouxeram à tona três aspectos importantes: adaptação, redução do risco de desastres e a necessidade de informação sobre o clima e serviços de apoio".

A publicação é parte da ação conjunta das duas agências sobre clima e saúde. A expectativa é que o documento reúna representantes das áreas de clima, saúde, agência de resposta de emergência, autoridades e o público em geral para iniciar ações relacionadas ao generenciamento do calor como um risco.

Leia Mais:

OMM prevê mais frequência e intensidade de eventos metereológicos extremos