Iémen regista aumento de 17% de pessoas sem comida suficiente

19 junho 2015

Subida ocorreu desde a escalada do conflito em março; confrontos, insegurança e baixa nas importações de combustível ditaram aumento do preço da comida; insegurança alimentar afeta 12,9 milhões de pessoas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A segurança alimentar continua a piorar no Iémen, segundo uma análise realizada por agências das Nações Unidas em parceria com o governo.

A situação de crise ou de emergência ocorre em 19 das 22 províncias, a refletir um aumento de 17%  das pessoas que passaram a enfrentar insegurança alimentar desde a escalada do conflito em fins de março.

Insegurança

Nessa altura, uma coligação liderada pela Arábia Saudita iniciou os ataques aéreos contra os rebeldes houthis. Estima-se que o conflito iemenita tenha provocado mais de 2 mil mortos.

Nos últimos três meses mais 2,3 milhões de pessoas passaram para o grupo sem comida suficiente, o que elevou o total para 12,9 milhões. Cerca de 6 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar grave.

Muitas delas recorrem a mecanismos de sobrevivência como comer menos refeições por dia ou consumir alimentos mais baratos e menos nutritivos, revela o estudo.

Combustível

Para o aumento de preços contribuíram fatores como conflito, insegurança e reduções nas importações de combustível.

A análise sublinha que o Iémen precisa desesperadamente de uma pausa nos combates e de um maior acesso e financiamento da ajuda humanitária, aliadoa a uma retomada imediata das importações comerciais.

Leia Mais:

Deslocados e refugiados atingem recorde de quase 60 milhões

Ocha precisa de quase US$ 19 bilhões para ajudar civis em 37 países

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud