OMM: alerta antecipado contra tempestades deve fazer sentido
BR

1 junho 2015

Diretor-geral da agência da ONU alerta que clareza no aviso é essencial; Michel Jarraud mencionou que a redução do risco de desastres é prioridade para a agência.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Garantir que alertas meteorológicos façam sentido para o público em geral será fundamental para ajudar a implementar um pacto global sobre a redução do risco de desastres. Esta foi mensagem ouvida no congresso da Organização Mundial de Meteorologia, OMM.

O diretor-geral da agência, Michel Jarraud, falou no evento que clareza em avisos precoces é essencial para a implementação do acordo adotado na 3ª Conferência Mundial da ONU sobre Redução do Risco de Desastres, realizada em março, em Sendai, no Japão.

Prioridade

Ele afirmou que a “redução do risco de desastres é prioridade” para a agência.  Jarraud disse ainda que a necessidade de alertas inteligíveis de serviços oficiais confiáveis é maior em uma época em que as pessoas podem colher informação de uma enorme gama de fontes de credibilidade variável.

Para o diretor-geral da OMM, “múltiplas fontes de aviso são fontes de confusão e não de alerta”. Suas declarações foram feitas em uma sessão especial do congresso sobre a plataforma de Sendai, que vai guiar as ações de redução de risco de desastres até 2030.

Ainda na sessão, a chefe do Escritório das Nações Unidas para Redução do Risco de Desastres, Unisdr, Margareta Wahlström, falou sobre a mudança de gestão de desastres para a gestão dos riscos.

Clima

Também presente, o secretário-geral da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho destacou que 75% dos desastres são causados por riscos relacionados ao clima.

Elhadj As Sy defendeu ainda que o alerta precoce deve ser acompanhado de ação rápida e que é preciso “chegar aos mais vulneráveis”.

Leia Mais:

Começa Congresso Mundial de Meteorologia em Genebra

Líderes mundiais prometem aumentar esforços para reduzir riscos de desastres

Ban diz que redução do risco de desastres deve fazer parte da agenda pós-2015