Pnud revela apoio ao pagamento de funcionários na linha da frente do ébola

28 maio 2015

Fundo comum envolveu mais de US$ 7 milhões; agência também protegeu serviços bancários, transferências e transações; combate ao surto envolveu mais de 100 mil trabalhadores de emergência.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, disse que está a ajudar a fazer o pagamento de trabalhadores na linha da frente de combate à crise de ébola na África Ocidental.

Cerca de US$ 7 milhões foram envolvidos em três projetos nos países mais afetados e numa iniciativa regional paga por um fundo de vários parceiros internacionais.

Gestão

As operações de pagamento envolveram valores da Missão das Nações Unidas para a Resposta de Emergência ao Ébola, Unmeer, e da comunidade internacional.

A agência da ONU disse que a coordenação das atividades foi para que os valores fossem entregues aos funcionários, além do investimento em sistemas de gestão de informação na Serra Leoa, na Libéria e na Guiné-Conacri.

As atividades também envolveram o controlo de pagamentos e o envio de pessoal, incluindo assessores técnicos. A agência ajudou a reforçar serviços bancários, transferências on-line ou em dinheiro além de proteger transações.

Contratados

Mais de 100 mil trabalhadores de emergência foram contratados para combater o surto. A maioria eram cidadãos dos países mais afetados.

A agência revelou que perante dificuldades dos governos em lidar com a epidemia, muitos tiveram meses de salários atrasados. Surgiram então ameaças de greves devido a falhas de comunicação e diferenças nas tabelas salariais.

De acordo com o Pnud, médicos, enfermeiros e higienistas que cruzaram diariamente as áreas restritas tiveram um bónus de 75% sobre o seu salário.

Leia Mais:

Dia de África: celebrar conquistas e refletir sobre desafios

Organização Mundial da Saúde notificada de caso de ebola na Itália