Apoio a burundesas que dão à luz a caminho de acampamentos na Tanzânia

26 maio 2015

Fundo da ONU para a População quer ajudar a garantir partos seguros e cuidados pós-natais para refugiadas; estima que 1,6 mil pessoas cheguem diariamente à área tanzaniana de Kigoma; infeções sexualmente transmissíveis também são preocupação.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, anunciou que várias mulheres burundesas dão à luz em ferries, abrigos temporários e a caminho do acampamento de refugiados de Nyarugusu na Tanzânia.

A agência registou depoimentos de funcionários humanitários que no terreno respondem à crise na sequência da fuga de cidadãos do Burundi. Para o local, foram enviadas tendas para dezenas de milhares de pessoas que atravessam as fronteiras.

Proteção

A agência realçou a necessidade urgente de mais pessoal e de suprimentos essenciais de saúde reprodutiva, assim como de artigos de proteção para as mulheres e meninas.

Além de oferecer kits de tratamento para casos de estupro, as áreas afetadas pela crise recebem apoio em serviços amigos dos jovens e para a gestão de dados. Cerca de 100 mil preservativos foram adquiridos para ajudar a prevenir a propagação de infeções sexualmente transmissíveis.

Cuidados

O Unfpa registou ainda a necessidade urgente de cuidados de saúde reprodutiva, de cuidados pré-natais, serviços de partos seguros e cuidados pós-natais para grávidas e novas mães.

Estima-se que 1,6 mil refugiados cheguem diariamente à área de Kigoma em dois navios. Tanto na região como em Kagunga os trabalhadores da saúde também lidam com casos de diarreia aguda e de cólera. 

De acordo com as Nações Unidas, a Tanzânia é a maior anfitriã dos mais de 110 mil burundeses que deixaram o seu país devido à instabilidade.

Leia Mais:

Ban pede responsabilidade após morte de líder de partido na oposição no Burundi

Unicef envia auxílio para conter casos de cólera em burundeses na Tanzânia

Enviado apresenta informe sobre crise no Burundi ao Conselho de Segurança

OMS alerta para crise humanitária pela entrada de burundeses na Tanzânia