Acnur pede abertura de fronteiras para receber pessoas do Burundi

5 maio 2015

Apelo é para governos de nações vizinhas; proposta da agência é que populações locais sejam encorajadas a apoiar os burundeses; cerca de 4 mil cidadãos do país estão a seguir para acampamento de refugiados na Tanzânia

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, pediu às autoridades da Tanzânia e dos países vizinhos que mantenham as fronteiras abertas para acolher pessoas que fogem do Burundi.

A agência quer que as populações locais sejam encorajadas a apoiar aos recém-chegados, além do alargamento da prestação da assistência aos candidatos a asilo do país.

Fluxo

O coordenador residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento na Tanzânia, Alvaro Rodriguez, disse que o fluxo de pessoas a partir do Burundi continua.

O representante declarou terem sido recebidos por volta de 4 mil burundeses que estão a seguir para acampamento de refugiados. Cerca de 60% são crianças. Estão acompanhados pelas suas mães e por algumas figuras femininas.

Agências de notícias disseram que esta segunda-feira continuaram os protestos contra a eleição do Presidente Pierre Nkurunzinza como candidato ao terceiro mandado. Cerca de três pessoas teriam morrido nas manifestações, revelam os relatos.

Acampamento

A Tanzânia regista cerca de 1 mil novas chegadas à Ilha de Kabonga, no Lago Tanganyika. O responsável do Pnud apontou para a necessidade de transferência destes para o acampamento de Kigoma.

Rodriguez contou que, aparentemente, as pessoas chegam com muito medo mas realçou que o que lhes leva à Tanzânia é a tradição de generosidade com africanos e a oferta de asilo e apoio variado.

No país está a operar uma equipa técnica que integra as autoridades governamentais e parceiros.

O Acnur declarou que que com a incerteza quanto tempo de permanência dos candidatos a asilo na ilha, tem sido oferecido auxílio alimentar, artigos não alimentares e materiais para a construção de pequenas infraestruturas.

Leia mais:

Angola preocupada com execução de acordo sobre milícias da RD Congo

Angola chama a atenção para fatores que provocam instabilidade nos países

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud