Ban discute com papa Francisco e premiê italiano crise de migrantes
BR

22 abril 2015

Secretário-geral viaja para Itália na semana que vem onde se reunirá com autoridades para tratar do assunto; segundo a OIM, de janeiro até agora mais de 1,7 mil pessoas morreram em travessias de barcos pelo Mediterrâneo.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou que vai discutir, na semana que vem, a crise de migrantes no Mediterrâneo com o papa Francisco e com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi.

Ele disse que chega à Roma na segunda-feira e se reúne com o primeiro-ministro Renzi. No dia seguinte, o chefe da ONU declarou que tem uma audiência marcada com o papa Francisco também para tratar do assunto.

Questão Humanitária

Ban afirmou que conversará com o papa e com Renzi sobre como eles e outros líderes europeus e a ONU podem caminhar juntos para lidar com essa séria questão humanitária e de direitos humanos.

Falando a jornalistas, nesta quarta-feira, depois do debate de alto nível sobre tolerância e reconciliação, na Assembleia Geral, o chefe da ONU expressou preocupação com as mortes e o sofrimento vistos no Mediterrâneo.

O secretário-geral afirmou que “o Mediterrâneo se transformou num mar de miséria para milhares e milhares de migrantes”.

Consciência Coletiva

Segundo ele, a tragédia só pode “chocar a consciência coletiva”. Ban declarou que o número de pessoas que morrem na região é alarmante.

Durante a conversa pelo telefone que manteve com o líder italiano, nesta terça-feira, Ban disse que ele e Renzi concordaram que a comunidade internacional tem responsabilidade compartilhada para garantir a proteção de migrantes e refugiados que tentam atravessar o Mediterrâneo.

Para o secretário-geral, é necessário criar uma forte operação de resgate no mar para salvar migrantes.

A Organização Marítima Internacional informou que desde janeiro até agora, pelo menos 1,7 mil pessoas morreram tentando atravessar o Mediterrâneo.