Garantir bem estar dos indígenas deve ser “crucial” em nova agenda global
BR

20 abril 2015

Afirmação foi feita pelo vice-secretário-geral da ONU na abertura do Fórum Permanente sobre Questões Indígenas; Jan Eliasson explicou que encontro deste ano foca nos direitos econômicos, sociais e culturais, sem esquecer das comunidades que vivem em áreas remotas.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Um canto tradicional ecoou pelo saguão da Assembleia Geral da ONU na manhã desta segunda-feira, em Nova York, na abertura da 14ª sessão do Fórum Permanente sobre Questões Indígenas.

Neste ano, o encontro foca nos direitos econômicos, sociais e culturais dos povos nativos, como declarou o vice-secretário-geral da ONU.

Jan Eliasson explicou que o fórum já é reconhecido como uma “arena eficaz e representativa de debate sobre direitos e papeis dos povos indígenas” e fornece aos países-membros uma plataforma forte para que “abracem a visão e as aspirações” desses povos.

Direitos Básicos

Segundo o vice-secretário-geral da ONU, a Declaração da ONU sobre os Povos Indígenas garante o direito das comunidades nativas à educação, à saúde, à água potável e ao saneamento. Eliasson destacou que os serviços básicos precisam ser fornecidos também para pessoas vivendo em áreas remotas.

Ele acredita ser o momento de colocar os povos indígenas “à frente de uma agenda transformadora, que não deixe ninguém para trás” e afirmou que o futuro bem estar dos indígenas do mundo é parte crucial deste ano “crítico”.

Soluções

Eliasson lembrou que a ONU completa 70 anos em 2015, ano em que está sendo definida uma nova agenda global de desenvolvimento e um plano para combater a mudança climática.

Neste sentido, ele pediu aos países-membros que garantam que a agenda pós-2015 inclua metas ligadas à situação e aos direitos dos povos indígenas. O vice-secretário-geral da ONU espera que governos e representantes dos indígenas “identifiquem soluções criativas para problemas que afetam os povos nativos de forma direta ou indireta”.

Leia Mais:

Fórum Indígena vai debater juventude, suicídio e direitos humanos

Cerca de 1,6 bilhão de pessoas depende diretamente de florestas

FAO: lagos e rios são fundamentais para subsistência de milhões

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud