FAO apoia recolha de pesticidas obsoletos e suas embalagens em Moçambique

16 abril 2015

Agência anunciou recolha de cerca de 300 toneladas do tipo de substâncias;  campanha deve ser concluída até outubro; empresas e agricultores podem fazer entrega sem pagar.

Ouri Pota, da Rádio ONU em Maputo.

Moçambique recolheu cerca 300 toneladas de pesticidas obsoletos numa iniciativa apoiada pela Organização da ONU para Agricultura e Alimentação, FAO.

De acordo com a agência, a campanha de busca do tipo de substâncias e suas embalagens deve ser concluída até outubro.

Destruição

Em conversa com a Rádio ONU, em Maputo, o coordenador nacional do Projeto de Remoção de Pesticidas Obsoletos da FAO, Khalid Cassam, contou como vai ser o processo até a destruição.

“Temos neste momento cerca de 300 toneladas de pesticidas obsoletos. O que estamos a fazer neste momento é a recolha e reembalagem deste produto em tambores apropriados que permitam fazer-se o transporte e o envio para o país que vai acolher para sua incineração. Portanto, esperamos que até o mês de setembro ou outubro tenhamos concluído a operação, a partir daí iremos só fazer avaliação dos concursos internacionais de forma que até o fim deste ano Moçambique se veja livre das 300 toneladas de pesticidas que temos no país.”

Apelo

Cassam apelou à entrega de pesticidas obsoletos e das suas embalagens a vários níveis. Como contou, ainda não são cobrados valores para a ação.

“Neste momento estamos a fazer uma recolha grátis. Vamos fazer a destruição dos produtos sem cobrar nada a quem tenha os produtos, apesar do regulamento dos pesticidas ser claro e emanar que quem detém o produto obsoleto é responsável pelo pagamento da destruição deste produto. Mas uma vez que temos o projeto a decorrer nós estamos a fazer esta recolha a título gratuito para todas empresas e agricultores, portanto contactem-nos. Passado o projeto, a partir do próximo ano quem tiver estes produtos vai ser obrigado a pagar para destruição dos mesmos.”

Nos distritos, as substâncias serão recebidas nos departamentos de unidade vegetal. Já nas províncias, os locais de destino são as direções provinciais de agricultura.