Relatório destaca potencial económico da cultura de Cabo Verde

26 março 2015

Para Unctad, país pode ser exemplo na construção de desenvolvimento fundamentado nas expressões culturais de seu povo, como música, artesanato e gastronomia; são feitas várias recomendações ao governo sobre o tema.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Para a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, o potencial económico da cultura e da criatividade de Cabo Verde é imenso e o país pode tornar-se modelo neste sentido.

Um relatório divulgado esta quinta-feira pela Unctad destaca que Cabo Verde pode ser exemplo de um novo modelo de desenvolvimento sustentável, baseado nas expressões culturais de seu povo.

Vantagens

Dentre essas, destacam-se música, artesanato, gastronomia, turismo e eventos. A Unctad diz que o país tem uma vantagem competitiva natural devido à “enorme diversidade cultural e pela localização estratégica entre África, Europa e Américas”.

O relatório afirma que o governo tem a vontade política necessária para avançar com a agenda da economia criativa e neste sentido, apresenta uma série de recomendações ao país.

Plano Nacional

A principal é a formulação e implantação do “Plano de Desenvolvimento das Economias Criativas de Cabo Verde”, Pladec, coordenado pelo governo e pelo Comité Interministerial para as Economias Criativas.

A Unctad também recomenda a criação, em Cabo Verde, de um Observatório Africano das Economias Criativas e assim, quantificar a contribuição dos setores criativos no Produto Interno Bruto.

O relatório sugere ainda a criação do Programa Nacional de Educação Cabo Verde Criativo, para mapear vocações locais, formar lideranças e capacitar em gestão. Ainda sobre o “Cabo Verde Criativo”, a Unctad diz que deve ser formulada uma política para circulação e exportação de produtos fundamentadas desta marca, reforçando assim o poder do país no setor.

Selo

Os produtos levariam o selo “Cabo Verde Criativo” e seriam vendidos em pontos de venda nos aeroportos, portos, hotéis, centros culturais e turísticos. Outra ideia é realizar, em outros países, feiras e divulgação da economia criativa cabo-verdiana.

O relatório também destaca o papel da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, em ajudar Cabo Verde a reforçar sua diversidade cultural e a promover a economia criativa.

Segundo a Unctad o comércio mundial de bens e serviços da indústria criativa alcançou um recorde de US$ 624 mil milhões em 2011.

Leia Também:

FMI destaca aumento das exportações de pescado em Cabo Verde

Após seca, FAO anuncia ajuda para agricultores em Cabo Verde