ONU inaugura memorial em homenagem às vítimas do tráfico de escravos
BR

25 março 2015

Escultura em mármore foi idealizada pelo arquiteto americano Rodney Leon, em memória às 15 milhões de vítimas da escravatura; português liderou equipe que instalou a Arca do Retorno na sede das Nações Unidas.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Cerca de 15 milhões de homens, mulheres e de crianças foram vítimas da maior forma de migração forçada da história, segundo as Nações Unidas: o tráfico transatlântico de escravos, que durou mais de 400 anos.

Eles são relembrados neste 25 de março, Dia Internacional em Memória às Vítimas da Escravidão. E nesta quarta-feira, a ONU revela em sua sede, em Nova York, um memorial permanente para honrar essas vítimas.

Projeto

Batizado de “Arca do Retorno”, o projeto é do arquiteto americano Rodney Leon, descendente de haitianos. A escultura em mármore presta tributo “à coragem dos escravos e dos abolicionistas”, além de reconhecer as contribuições das vítimas da escravatura para a sociedade.

O memorial está na entrada de visitantes da sede da ONU e um português especialista em mármore liderou a equipe que instalou a obra. Carlos Rodrigues conversou com a Rádio ONU e explicou que a escultura tem um valor espiritual.

Experiência

“A figura que está representada na parte interior do monumento é uma forma não masculina ou feminina, mas espiritual, que terá uma lágrima e isso é uma forma das pessoas realmente verem qualquer coisa que é sentimental, que vem de dentro, alguma coisa que foi dramática, alguma coisa dos direitos humanos que foram extremamente violados. Essa é a ideia do Rodney Leon. E ele como haitiano e eu como português estivemos em aspectos diferentes (do tráfico de escravos), mas chegamos a um ponto em que podemos construir qualquer coisa juntos. É interessantíssimo e estou muito, muito emocionado com isso.”

Segundo Carlos Rodrigues, a peça tem cerca de cinco metros de altura e seis de comprimento, e por ser um memorial permanente, poderá ajudar as gerações futuras a entender sobre o tráfico transatlântico de escravos.

Para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a obra “Arca do Retorno” não só lembra o “terrível legado” da escravidão, mas serve para honrar as milhões de vítimas.

Além de inaugurar o memorial, as Nações Unidas aproveitam o dia internacional para prestar tributo às mulheres vítimas da escravatura, responsáveis por transmitir a cultura africana aos seus descendentes.