Moçambique entre cinco países que compram alimentos locais para escolas

11 março 2015

FAO destaca resultados promissores da experiência inspirada em modelo brasileiro; escolas de países como Etiópia, Malaui, Níger e Senegal também consomem produtos de agricultores familiares.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque

Moçambique está entre os cinco países mencionados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, por adotar o que chama de "parceria inovadora" na área de alimentação escolar.

Em nota, a agência explica que o modelo, implementado a partir da experiência de combate à fome e à pobreza do Brasil está a ter resultados promissores próximo do terceiro ano da sua implementação.

Pequena Escala

O Programa Comprar de Africanos para Africanos, com a sigla em inglês PAA, é também aplicado por países como Etiópia, Malaui, Níger e Senegal com apoio técnico de especialistas da FAO e do Programa Mundial da Alimentação, PMA.

Para a FAO, a iniciativa está a dar "lições importantes" sobre como os governos podem adquirir alimentos para instituições públicas, como os estabelecimentos de ensino que estão diretamente ligados aos agricultores familiares de pequena escala.

Subsistência

Entre as vantagens do método estão a promoção da produção agrícola local e o melhoramento da subsistência e da nutrição.

A FAO considera que na compra dos produtos dos agricultores familiares, que estão entre os grupos tidos como mais marginalizados, pode se contribuir para os esforços do governo para o combate à pobreza rural.