Pnud: "resposta ao ebola está funcionando"
BR

3 março 2015

Conferência em Bruxelas reúne representantes das Nações Unidas e líderes mundiais para planos de longo-prazo; número de mortos desde o início do surto passa de 9,6 mil nos três países mais afetados.

Eleutério Guevane e Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Falando na abertura da Conferência de Alto Nível sobre o ebola, nesta terça-feira em Bruxelas, a chefe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, afirmou que a resposta à doença “está funcionando”.

Helen Clark participa do encontro que reúne líderes mundiais, incluindo os presidentes da Guiné, da Libéria e da Serra Leoa, os países mais afetados pelo surto.

Longo Prazo

O objetivo é abordar planos para combater o ebola a longo prazo. A chefe do Pnud disse que apesar dos avanços, a epidemia ainda não acabou e que "não pode haver complacência até que não haja nenhum caso".

Para ela, a comunidade internacional deve "manter o rumo" para chegar e sustentar a marca de zero casos, além de apoiar os afetados pela doença.

Segundo agências de notícias, o Fundo Monetário Internacional, FMI, anunciou no encontro ajuda imediata de US$ 80 milhões, o equivalente a cerca de R$ 228 milhões, para a Serra Leoa.

O dinheiro será usado em operações para acabar com o surto e ajudar na recuperação do país. O anúncio agora faz parte do pacote total de ajuda financeira de US$ 187 milhões de auxílio à economia.

Números

Segundo dados da ONU, desde o início do surto 9.666 pessoas morreram e 23.825 foram infectadas nos três países mais afetados.

Em seu discurso, Helen Clark disse que a "maré está mudando" ao citar a queda nas taxas de infecção do ebola na Libéria, que seguem a tendência registrada desde o ano passado na Guiné e na Serra Leoa. Ela citou ainda a abertura de escolas guineenses e liberianas e a preparação dos serra-leoninos para tomar a mesma medida.

A representante disse que cabe à comunidade internacional apoiar os três países para encurtar o máximo possível os impactos negativos ao seu desenvolvimento.

Recomendação

Outra recomendação é que os esforços de recuperação abordem o que chamou de motores da fragilidade que produziram a crise. Entre eles, Clark mencionou a criação de instituições e sistemas resilientes, a melhoria dos serviços e prioridade ao desenvolvimento humano e ao empoderamento das pessoas.

Ela mencionou ainda a restauração de serviços básicos de saúde, incluindo atenção à gravidez, parto, vacinação, pessoas que vivem com HIV, e apoio às escolas para que  tenham um ambiente seguro para o retorno dos estudantes.

Leia mais:

Aiea tem novo projecto nuclear para detetar doenças como o ébola

Chefe da ONU na África Ocidental elogia resposta ao surto de ébola

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud