Enviado da ONU diz que solução da crise em Gaza é chave para paz regional
BR

2 março 2015

Robert Serry fez sua última visita ao local nesta segunda-feira; ele mencionou progressos, mas chamou de “lento” o ritmo geral da reconstrução.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

A paz no Oriente Médio depende da resolução da crise em curso em Gaza, onde ações de reconstrução são hesitantes e o bloqueio continua.

A avaliação é do coordenador especial para o processo de paz no Oriente Médio, Robert Serry. Ele fez sua última visita ao local nesta segunda-feira. Seu mandato de sete anos acaba em breve.

Lentidão

Serry afirmou que está encorajado por “algum progresso” estar sendo feito em direção à reconstrução de Gaza, mas lamentou o “ritmo lento” em geral.

De acordo com avaliação recente da ONU, mais de 100 mil casas foram danificadas ou destruídas em Gaza durante o conflito de 51 dias, no ano passado, com Israel.

A destruição afetou mais de 600 mil pessoas e muitas ainda estão sem acesso à rede municipal de água. Além disso, a violência matou mais de 2,1 mil palestinos e 70 israelenses.

Falta de Recursos

O coordenador especial mencionou que a ONU foi forçada a suspender pagamentos em dinheiro para famílias refugiadas por causa da falta de apoio de doadores.

Ele observou que apenas um pequeno percentual dos US$ 5,4 bilhões, o equivalente a cerca de R$ 15 bilhões, prometidos na Conferência de Reconstrução no Cairo, em outubro, foi gasto.

Serry declarou ainda que o bloqueio em curso da Faixa de Gaza deixou a área “mais isolada que nunca” por causa de muitas restrições ainda em vigor em travessias israelenses e com a passagem de Rafah “praticamente fechada”.

Estabilidade

O coordenador falou do fim do bloqueio como “pré-requisito para uma economia estável em Gaza”. Ele disse que a estabilidade econômica também não é possível sem um “cessar-fogo mais durável e um governo inclusivo, legítimo e reconhecido liderando a recuperação local”.

Ele falou que a reabilitação de Gaza “pode levar anos”, particularmente porque não foi feito muito progresso em abordar as “raízes” das questões na região.

Serry falou que  “Gaza é um problema politico que deve ser abordado como parte do fim da ocupação e da solução de dois-Estados”. Ele está convencido de que “não pode haver paz sem antes abordar as necessidades de Gaza”.

No mês passado, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, nomeou Nickolay Mladenov como substituto de Serry.

Leia mais:

Agências internacionais de ajuda alertam que não podem fracassar em Gaza

Financiamento da UE pode beneficiar 16 mil palestinos desempregados

Nações Unidas lançam apelo humanitário em prol dos palestinos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud