ONU saúda libertação dos mais antigos reféns dos piratas somalis

27 fevereiro 2015

Os quatro cidadãos da Tailândia foram sequestrados em abril de 2010; enviado da ONU na Somália pede que sejam outros soltos 26 reféns sequestrados do navio omani; Unodc apoiou a liberdade do grupo.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O representante especial do secretário-geral para a Somália saudou, esta sexta-feira, a libertação de quatro tailandeses feitos reféns no mar por piratas somalis em abril de 2010.

Em nota, Nicholas Kay congratulou a libertação dos tripulantes do navio 12 FV Prantalay, nesta quarta-feira. O responsável destaca que foi o mais longo período de cativeiro de reféns capturados por piratas somalis.

Navio de Pesca

A recuperação dos sequestrados esteve a cargo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, com o apoio do Fundo do Grupo de Contacto sobre a pirataria ao largo da costa da Somália. Todos os recém-libertados foram entregues à Administração Regional Somali na área de Galmudug.

Kay agradeceu a todos os envolvidos na libertação do grupo do navio de pesca, que no ano seguinte ao sequestro foi usado pelos piratas como navio-mãe, antes de naufragar em julho de 2011. A tripulação restante foi levada para terra.

Repatriados

Dos 24 membros da tripulação, seis morreram em cativeiro vítimas de doença, e 14 membros da tripulação de Mianmar foram repatriados pelo Programa de Apoio aos Reféns da Unodc há quatro anos.

Os piratas somalis ainda estão a cargo de 26 reféns sequestrados do navio FV Naham 3, de bandeira omani. No fim da nota, o enviado pediu a sua libertação imediata.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia mais:

Resolução do Conselho de Segurança quer ação de países contra piratas somalis