FAO lança software para proteger tubarões ameaçados de extinção
BR

19 fevereiro 2015

Agência diz que identificação rápida das espécies pode ajudar a conter comércio ilegal de barbatanas ; aplicativo iSharkFin vai ajudar pescadores, inspetores e funcionários de alfândega; aplicativo foi desenvolvido em parceria com a Universidade de Vigo, Espanha.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Um software lançado por uma agência da ONU pretende ajudar a proteger tubarões ameaçados de extinção.

Em comunicado, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, informou que o software iSharkFin, numa tradução livre barbatanas de tubarão, servirá para identificar rapidamente as espécies do peixe marinho com o objetivo de evitar o comércio ilegal.

Foto

Com isso, a FAO pretende ajudar a conter o crime praticado contra espécies protegidas e a combater o comércio ilegal de barbatanas.

O aplicativo pode ser usado por funcionários de alfândega, inspetores de mercados de peixes assim como pescadores, como explicou Monica Barone, que lidera a equipe do Departamento de Pescas e Aquicultura, responsável pelo software.

Segundo a FAO, o aplicativo fornece uma foto para que o usuário possa escolher vários pontos do formato da barbatana do tubarão, além de poder identificar outras características do peixe. Além disso, um algoritmo compara a informação recebida àquela contida no banco de dados para reconhecer a espécie. A agência da ONU informa que todo o processo dura no máximo cinco minutos.

Capacidade

Um aplicativo para tablets e telefones inteligentes está sendo desenvolvido para ampliar a capacidade de uso e alcance do software.

Até o momento, o iSharkFin tem como identificar 35 espécies desde as barbatanas dorsais, aquela posicionada em cima da espinha do animal, a sete outras, localizadas abaixo das nadadeiras do tubarão.

Muitas são os tipos mais comercializados internacionalmente. Uma das dificuldades dos organizadores do aplicativo é listar todas as barbatanas, uma vez que algumas delas estão se tornando, cada vez, mais raras.

Segundo um estudo citado pela FAO, o número de tubarões mortos por ano pode chegar a 73 milhões, ou mais de 6% do estoque total do peixe marinho.

Espanha e Japão

A morte dos animais é feita para obter as barbatanas lançando depois o tubarão sem vida ao mar.

O software foi desenvolvido pela FAO em parceria com a Universidade de Vigo, na Espanha, e recebeu financiamento do Governo do Japão.

A Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies Ameaçadas da Flora e Fauna Selvagens, Cites, também ajudou a financiar o projeto.

Leia mais: 

FAO aposta em nova tecnologia para previnir doenças em animais

Tubarões do Mares Mediterrâneo e Negro sob risco de extinção

Pesca e comércio fazem "pressão sobre a sustentabilidade" dos tubarões, diz Cites

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud