ONU anuncia diálogo entre grupos rivais da Líbia em janeiro

24 dezembro 2014

Envolvidos concordaram num roteiro para acalmar o conflito; Conselho de Segurança preocupado com agravamento da segurança e fluxo de armas; órgão apelou ao cessar-fogo imediato e ao compromisso com o processo democrático.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

As negociações entre os grupos rivais da Líbia arrancam a 5 de janeiro, após ter sido alcançado um acordo sobre um roteiro para acalmar o conflito que dividiu o país.

A informação foi dada pelo embaixador chadiano junto das Nações Unidas, Mahamat Cherif, na qualidade de presidente rotativo do Conselho de Segurança. A declaração seguiu-se ao informe apresentado ao órgão, esta terça-feira, pelo enviado da ONU para a Líbia, Bernardino León.

Violência

A Líbia é administrada por dois governos, um reconhecido a nível internacional e o outro apoiado por milícias islâmicas. A organização alertou que a violência ameaça a estabilidade regional.

O Conselho instou às partes a aceitar um cessar-fogo imediato e manifestou preocupação com o agravamento da segurança e o fluxo de armamento para o país, apesar do embargo de armas.

Apoio

As partes em conflito foram exortadas a aceitar o cessar-fogo imediato e ao seu envolvimento no processo democrático. O Conselho manifestou o seu apoio ao enviado, tendo encorajado os esforços para o sucesso do diálogo.

Nesta terça-feira, um relatório da Organização destacou que centenas de civis morreram no país desde o início dos confrontos em agosto. Mais de 120 mil pessoas fugiram das suas casas devido ao conflito.