Ban: “ONU vai apoiar Libéria até que o ebola esteja controlado”
BR

19 dezembro 2014

Secretário-geral fez a declaração esta sexta-feira durante visita ao país africano; ele visita a região afetada até este sábado; Ban disse que há razões para um otimismo cauteloso em relação ao fim da epidemia com a redução das transmissões do vírus na região.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, visitou esta sexta-feira a Libéria e disse que as Nações Unidas vão continuar apoiando o país até que a epidemia do ebola esteja controlada e a nação se recupere.

Falando a jornalistas na capital, Monróvia, Ban afirmou que há razões para um otimismo cauteloso sobre a possibilidade de a epidemia ser derrotada. Ele disse que houve uma redução das transmissões na Libéria.

Estratégia

Segundo o chefe da ONU, essa queda está relacionada à dedicação e ao compromisso dos liberianos no combate à doença e uma demonstração de que a estratégia de resposta está funcionando.

Ban explicou que mais pessoas estão tendo acesso a tratamentos, os contatos dos doentes estão sendo registrados e os enterros estão sendo realizados de forma segura, sem contato com os corpos, o que gera novas infecções.

Além disso, o chefe da ONU declarou que as comunidades estão se mobilizando para sua própria proteção.

Momento

Ban afirmou “que esse não é o momento de reduzir os esforços. Todos já testemunharam como um único caso pode causar uma epidemia”. Ele afirmou que ainda há um longo caminho a ser percorrido para atingir zero caso do ebola na Libéria e em toda a região.

Na reunião com a presidente liberiana, Ellen Johnson Sirleaf, o secretário-geral discutiu a importância de o país se manter vigilante na luta contra o surto até que o último caso tenha sido tratado.

Ban comentou também sobre as eleições marcadas para este sábado no país. Segundo ele, a votação representa uma chance da Libéria mostrar ao mundo o quanto progrediu depois de 10 anos de ter conseguido alcançar a paz e a prosperidade.

Ainda neste sábado, o chefe da ONU vai visitar outros três países africanos, Guiné, Mali e Gana, para acompanhar a luta contra o ebola.